PUBLICIDADE

Topo

Ana Paula Xongani

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Como simples hábitos diários se tornaram um refúgio em tempos caóticos

A pausa para fazer algo que amamos é uma ferramenta poderosa de autocuidado - Getty Images
A pausa para fazer algo que amamos é uma ferramenta poderosa de autocuidado Imagem: Getty Images
Ana Paula Xongani

Ana Paula Xongani é multiempresária: no Ateliê Xongani, de moda afro-brasileira, e também na empresa que leve o seu nome, de criação de conteúdo. Apresenta o programa Se Essa Roupa Fosse Minha, no GNT, sobre moda consciente. Fala com leveza e responsabilidade sobre temas sempre importantes para que todo mundo junto construa um mundo mais justo e acolhedor para todos, especialmente para as mulheres pretas. Ativismo afetivo, como costuma dizer.

Colunista de Universa

10/06/2021 04h00

Há uma coisa que eu gosto muito de fazer nos meus canais, seja no Instagram ou no YouTube, que é perguntar para as pessoas que me acompanham, os Xongs, sobre os temas que eles gostariam que eu abordasse em meus conteúdos. Da última vez que abri a minha caixinha de perguntas, uma seguidora escreveu uma única palavra: rituais.

Quando você pensa em ritual, o quê você pensa?

Eu penso em coisas boas para se praticar com certa frequência e que me levam à felicidade, a um sentimento de conforto. Seja uma oração, uma meditação ou outra coisa que você possa ter identificado, e para a qual construiu um processo, em meio aos tempos difíceis em que vivemos, com notícias devastadoras todos os dias.

Dá para começar um ritual, por exemplo, transformando algo que você faz bem em uma rotina, assumindo o compromisso com você mesma de cumprir. Por exemplo, por que não transformar o seu café da manhã em um ritual em que você monta um prato daquele jeito que você gosta?

Aí, é só colocar uma música para tomar esse café, sentar à mesa, com uma flor, se rolar. Pronto! É um cuidado, uma delicadeza com você mesma. E, se for constante, com frequência, é um ritual.

Uma coisa que eu faço e adoro é o banho à luz de velas. É onde transformo meu momento em cuidado mais profundo, de contemplação do meu corpo.

Outro hábito que tem feito sentido para mim é o ritual do acordar. Quando me levanto, antes de dar um "bom dia", mesmo que seja para o meu companheiro ao lado, eu já vou diretamente meditar.

Sempre vi os rituais como algo muito 'chato', regrado. Lembrava-me daqueles religiosos ou da ioga. Mas estabelecer algumas regras para a rotina pode ser incrível

Vamos fazer isso? Eu te desafio! A gente precisa! Vamos transformar as coisas que fazemos de vez em quando, mas que nos trazem paz, em rituais frequentes. Podemos começar por uma só. A gente vive abraçando o mundo, abraçando rotinas diversas... Vamos cumprir também por nós? Dedicar, nem que seja um pedacinho do dia, para a gente mesma?

Comente aqui embaixo, se você tem ou já criou um ritual. Quem sabe o seu hábito não se torna o ponto de partida de alguém.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL