Topo

Prepare-se! Vai dar para ver a chuva de meteoro gerada pelo cometa Halley

Chuva de meteoros Eta Aquarídeos, produzida pelo rastro do cometa Halley - Time Magazine
Chuva de meteoros Eta Aquarídeos, produzida pelo rastro do cometa Halley Imagem: Time Magazine

Helton Simões Gomes

Do UOL, em São Paulo

04/05/2019 18h38

Uma chuva de meteoros poderá ser vista durante este fim de semana em vários pontos do hemisfério sul, incluindo o Brasil. O evento tem até nome: é a Eta Aquarídeos, composta por pedaços do cometa Halley, que passou pelo Sistema Solar pela última vez em 1986 e só retornará em 2061.

Com a lua nova, tanto as madrugadas e primeiras horas da manhã deste domingo (5) quanto as de segunda-feira (6) devem ser boas para observadores. Para a EarthSky, publicação especializada em observação espacial, o momento ideal será a noite de sábado para domingo. Já para a Nasa, o pico de visibilidade deve ser entre a noite de domingo e segunda.

Isso ocorre porque as chuvas de cometa não são um evento isolado. Apesar de ser mais visível neste fim de semana, a chuva de meteoros já está ocorrendo desde 17 de abril e deve acabar em 24 de maio, explica a Nasa, agência espacial norte-americana.

Os núcleos dos cometas, como o Halley, são formados basicamente por gelo agregado a grandes quantidades de poeira e pequenas rochas. À medida que se deslocam pelo Sistema Solar, esses corpos vão deixando um rastro dessas partículas que se desprendem devido à interação com o Sol. São elas que compõem os meteoros.

Quando entra na órbita de algum cometa, a Terra cruza com esse rastro de partículas vindas do cometa. Isso produz um aumento na atividade de meteoros riscando os céus de noite, ou seja, da chuva de meteoros.

Outro produto é a chamada estrela cadente, que são partículas de poeira ou pequenas pedras que são atraídas pela gravidade terrestre e se queimam ao entrar na atmosfera.

Se essas partículas forem grandes o suficiente para se manter intactas diante do aquecimento intenso a ponto de atingir a superfície da Terra, são chamadas de meteoritos.

Na madrugada deste domingo ou desta segunda, o que vai ocorrer é que a Terra vai chegar ao ponto mais próximo da órbita do cometa Halley, o que vai produzir a chuva de meteoros Eta Aquarídeos, a mais intensa até agora e, por isso, possível de ser vista. A Nasa estima em até 40 meteoros por hora a intensidade da chuva.

O nome da precipitação não é aleatório. Ele foi escolhido porque representa o ponto do céu em que os meteoros devem surgir. Ou seja: próximo da estrela eta da constelação do Aquário. A esse ponto se dá o nome de radiante.

Ainda assim, nada disso é garantia de que você consiga ver um meteoro, porque o céu precisa estar limpo. As condições para o evento deste ano, no entanto, estão boas, pois a Lua está em sua fase nova. Como a constelação de Aquário e o radiante da chuva de meteoros nascem por volta das 2h, é a partir deste momento que o fenômeno deve ser melhor visto.

Mais Astronomia