Topo

Pesquisadores da USP criam extrato que elimina larva do mosquito da dengue

Aedes é transmissor de doenças como a dengue - iStock
Aedes é transmissor de doenças como a dengue Imagem: iStock

Luiza Ferraz

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/05/2019 04h00

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos podem ter descoberto um meio sustentável e eficaz de acabar com as larvas do Aedes aegypt, espécie invasora que tanto preocupa os brasileiros com a transmissão da dengue e outras doenças.

Trata-se da curcumina, um extrato concentrado à base de açafrão da terra (cúrcuma) que, quando exposto ao sol, trabalha com o oxigênio do meio e destrói o intestino das larvas por ação oxidativa. O processo acontece aproximadamente três horas após sua ingestão.

Para testar a eficácia do produto, foram aplicadas amostras em criadouros pequenos e recipientes de plástico, apresentando excelentes resultados.

Ao que tudo indica, a substância pode ser mais eficaz que outros larvicidas - Divulgação
Ao que tudo indica, a substância pode ser mais eficaz que outros larvicidas
Imagem: Divulgação

"Foi possível eliminar cerca de 90% das larvas num período de 48 horas", afirmou Larissa Marila de Souza, uma das responsáveis pelo projeto e doutoranda do IFSC, Instituto de Física da universidade.

Além disso, a substância não prejudica o meio ambiente e pode ser mais eficaz que outros larvicidas. Para utilizá-la, basta misturar o pó com água e o esborrifar no seu local de preferência.

A ideia de sua comercialização não é descartada e já está em processo. Segundo a pesquisadora, é necessário criar uma fórmula adequada para que possam disponibilizar um produto acessível economicamente.

"A aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) ainda está em andamento, e estamos levantando todos os documentos para que ela seja possível", disse.

Com financiamento do Ministério da Saúde, agora a análise passará por uma etapa de finalização, sendo avaliada a possibilidade de liberá-la para o controle da dengue e de outras doenças.

Mais Ciência