Topo

Chega ao fim estatal que gastou R$ 500 mi para lançar foguete -- e falhou

Imagem mostra como seria o foguete Cyclone 4, que já estava praticamente pronto - Divulgação
Imagem mostra como seria o foguete Cyclone 4, que já estava praticamente pronto Imagem: Divulgação

Da Agência Brasil

17/04/2019 10h45Atualizada em 19/04/2019 08h40

O plenário do Senado decidiu nesta terça-feira (16) pela extinção da empresa espacial Alcântara Cyclone Space. A empresa era binacional, criada a partir de um tratado firmado com a Ucrânia, em 2003. A empresa havia sido extinta por medida provisória (MP) pelo presidente Michel Temer. A extinção da Alcântara Cyclone Space segue para promulgação.

A Alcântara Cyclone Space foi criada no governo Lula para o lançamento de foguetes Cyclone-4 para transporte de satélites. Porém, nenhum lançamento foi feito, apesar de o Brasil ter investido quase R$ 500 milhões no projeto. O fim da parceria permite que o governo brasileiro firme novo acordo envolvendo a base de Alcântara.

O senador Jaques Wagner (PT-BA) disse que a extinção da empresa era discutida em 2015, quando ele era ministro da Defesa no governo Dilma Rousseff. "A Presidência da República chegou à conclusão que, depois de muitos esforços, aquela tentativa da parceria com a Ucrânia não deu os resultados esperados. Foi tomada a decisão de encerrar e a Medida Provisória, apesar de eu não ter participado da comissão, visa exatamente tratar do espólio, das consequências do encerramento".

A base, localizada no Maranhão, já é alvo de conversas entre Brasil e Estados Unidos. Os dois países assinaram um acordo para o uso comercial da base. O acordo precisa ser ratificado pelo Congresso Nacional.

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) frisou a importância de um acordo que, desta vez, saia do papel e beneficie o estado. "Esperamos e sonhamos que este novo acordo, que virá para esta Casa, seja efetivado. Queremos que o investimento chegue ao Maranhão, e a tecnologia possa estar acessível ao Brasil, ao Maranhão e a Alcântara".

Mais Tilt