Topo

Aos 37, brasileira lidera pesquisa que vai "dar luz" à expansão do universo

Marcelle Soares Santos, da equipe do laboratório que descobriu ondas gravitacionais - Renner Boldrino/Divulgação
Marcelle Soares Santos, da equipe do laboratório que descobriu ondas gravitacionais Imagem: Renner Boldrino/Divulgação

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

02/08/2018 04h00

Marcelle Soares Santos tinha quatro anos de idade quando foi morar em Serra dos Carajás (PA) para acompanhar o pai --técnico em eletrônica--, que iria trabalhar na então estatal Vale do Rio Doce.

Um década depois, a capixaba voltou a Vitória com sonho e estímulo para se tornar cientista --e nada conseguiria detê-la.

Agora aos 37 anos, a física e doutora em astronomia pela USP (Universidade de São Paulo) lidera uma busca por imagens que ajudem a explicar a força que faz o universo se expandir.

A pesquisa é um complemento à revolucionária descoberta de ondas gravitacionais, vencedora do prêmio Nobel de Física de 2017.

Marcelle é a única brasileira entre as 16 líderes da pesquisa coordenada pelo Fermilab (laboratório de física de partículas ligado ao Departamento de Energia dos EUA).

"Essa descoberta é uma coisa que um cientista da minha área talvez só veja uma vez na vida. Com as imagens, saberemos de onde vem essa força que faz o universo se expandir de forma acelerada", explica.

Ela entrou no laboratório em 2010, selecionada após passar um período de doutorado na instituição. O contrato durava cinco anos, mas, antes de encerrar esse período, foi promovida a pesquisadora efetiva.

Hoje, ela coordena uma pesquisa sobre a energia escura, que busca a luz emitida por eventos geradores de ondas gravitacionais.

Com essa combinação de ondas e imagens, a ciência tenta conhecer a origem da força que faz o universo se expandir. "A expansão está acelerada, e o grande mistério é: de onde vem a energia para produzir isso?"

No ano passado, Marcelle também se tornou professora da Universidade de Brandeis, uma das mais conceituadas na física nos EUA.

Em entrevista ao UOL durante congresso da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), ela falou sobre de sua pesquisa, sua carreira na ciência e a superação de preconceito.

UOL - Você se formou na Ufes (Universidade Federal do Espírito Santo) em física, uma área tradicionalmente dominada por homens, e se tornou uma das maiores cientistas do mundo na área. Como começou sua proximidade com a ciência?

Marcelle Soares Santos - Para mim a oportunidade de me tornar cientista teve a ver com uma série de pessoas que me deram muito apoio, desde os meus pais --que não tinham formação universitária, mas entendiam que essa era uma coisa importante--, até professores nas escolas em que estudei. Mas acho que o fundamental para mim foi o entendimento de que a área da ciência tem muitas possibilidades para pessoas contribuírem de diversas maneiras. Por exemplo, uma pessoa com um pensamento mais abstrato ou com uma maneira nova de ver um problema. E a oportunidade vem também por trabalhar em grupo, porque você encontra uma família entre seus colaboradores; e isso ajuda porque, nos momentos mais difíceis, sabe que tem seus colegas para ajudar.

Com que cargo você começou nos EUA?

Cheguei lá como uma pesquisadora pós-doutora, fazendo um pós-doutorado nessa linha de pesquisa de astronomia, e o cargo era por um tempo determinado de cinco anos. Só que depois de um tempo fui promovida para um cargo permanente. Em 2017, fui chamada pela Universidade Brandeis, que é uma oportunidade de crescimento, onde posso orientar estudantes jovens.

Orienta algum brasileiro?

Atualmente no meu grupo não tenho brasileiros, talvez num futuro próximo. Tem brasileiros que estão visitando como estudantes por seis meses.

Os cientistas brasileiros tem reclamado do momento no país, com cortes na ciência... 

A gente sabe que o Brasil está passando por um momento um pouco difícil, mas ao mesmo tempo eu acho que a nossa comunidade tem --e acho que temos de manter-- uma força e capacidade de superar esses desafios. As vezes é muito difícil individualmente, mas, quando a gente está em uma comunidade, como esse evento aqui da SBPC, é uma oportunidade de ver isso: a comunidade se ajudando e formando laços que ajudam a construir um futuro.

Você é uma mulher negra, que venceu em uma área tradicionalmente masculina, em um país visto como nacionalista especialmente em sua ciência. Sofre preconceito nos EUA?

Eu acho que no mundo inteiro a gente sabe que o problema de racismo, de discriminação a pessoas que vêm de outros países... Tudo isso existe e são problemas reais. Ao mesmo tempo existe um esforço grande de pessoas da comunidade para reduzir isso. E esse esforço está avançando. A gente às vezes acha que não, mas está. Cada geração avança nesse sentindo. Quando meus professores estavam na graduação, o número de mulheres  ou da participação de negros era bem menor [do que hoje].

Mas física ainda é uma área dominada por homens, não?

Sim, mas melhorou significativamente. Não é que os problemas estejam resolvidos, temos um longo caminho pela frente e é uma tarefa árdua. Mas a gente não pode perder a noção de que está progredindo e cada geração a gente melhora um pouco. O que a gente não pode permitir é que a gente regresse. Meu desafio como professora é garantir que a gente continue avançando.

Sobre sua pesquisa, você investiga a energia escura. Por que isso é tão importante para a ciência?

Energia escura é um dos grande mistérios na física atual. Não se sabe qual a propriedade dela. Tudo o que a gente sabe é que a energia escura causa a expansão do universo. A gente sabe que o universo está em expansão desde o Big Bang, mas de repente descobrimos, há poucos anos, que essa expansão está acelerada. O grande mistério é de onde vem a energia para produzir isso? Essa energia invisível é o tema da minha pesquisa.

O que especificamente você e seu grupo busca?

O levantamento desse projeto tenta entender a energia escura, e o método que a gente utiliza é o mapeamento de uma área grande no céu, correspondente a 25% do céu inteiro. A gente procura um total de milhões de galáxias e milhares de estrelas para conseguir fazer esse mapeamento.

A descoberta de ondas gravitacionais foi realmente espetacular. A gente sabe que há objetos massivos no céu, que eles estão em movimento e que eles geram perturbações do espaço vazio das galáxias. Essas perturbações se propagam, da mesma maneira que o som está se propagando agora. A gente sabia na teoria, desde a teoria da relatividade de Einsten, mas não havia sido construída uma antena para conseguir ouvir isso. O equivalente da importância de captar essas ondas seria construir uma primeira antena de radio e conseguir ouvir os sinais.

Agora você busca as imagens disso?

Exatamente. Como a gente já tem a experiência de fazer o levantamento com imagens, agora tem a oportunidade de casar essas duas metodologias. De um lado tem a captação de ondas, de outro lado tem a gente com uma câmera poderosa para localizar qual a fonte dessas ondas gravitacionais.

Quem faz essa pesquisa com você?

A gente está com um grupo que tem mais de 1.000 colaboradores, mas tem os subgrupos. Na nossa área temos entre 30 e 40 pessoas.

Mais Tilt