Topo

Clique Ciência: Animais têm tipos de personalidades como têm os humanos?

Issei Kato/Reuters
Imagem: Issei Kato/Reuters

Cintia Baio

Colaboração para o UOL

30/09/2015 13h25

Animais não só têm personalidades que se assemelham com as do homem, como também podem sentir emoções, ter autoconsciência e até sofrer de ansiedade ou depressão. Não é difícil encontrar espécies que tendem a ser mais tímidas, outras brincalhonas e até encrenqueiras. Além disso, assim como os humanos, cada bicho (mesmo de espécies iguais) tem sua própria personalidade.

Tem uma curiosidade científica? Mande sua pergunta para o UOL com a #CliqueCiência - Arte/UOL
Tem uma curiosidade científica? Mande sua pergunta para o UOL com a #CliqueCiência
Imagem: Arte/UOL

Pesquisa feita por uma universidade na Dinamarca mostrou, por exemplo, que os diferentes tipos de personalidade das aranhas da espécie Stegodyphus sarasinorum era o que determinava quem caçava e quem cuidava das crias. Eles colocaram 40 aranhas em um ninho artificial e simularam a presença de predadores. Algumas eram sempre mais agressivas, enquanto outras mais dóceis. Claro que as agressivas eram as que saíam para caçar.

De acordo Aline Cristina Sant'Anna, especialista em comportamento animal, o temperamento (como os pesquisadores se referem à personalidade dos bichos) é determinado tanto por fatores genéticos quanto ambientais.

“Em bois e vacas, por exemplo, sabe-se que 30% de sua personalidade se deve aos genes e os outros 70% às suas experiências e o ambiente em que o animal vive”, explica.

As pesquisas também indicam que os animais podem sentir emoções básicas, como medo, tristeza ou alegria, mas a intensidade varia entre as espécies. Os elefantes, por exemplo, podem ficar de luto, e chimpanzés órfãos passam horas se despedindo do corpo da mãe. A depressão e a crise de ansiedade também são doenças psicológicas enfrentadas pelos bichos, principalmente os domésticos.

“Nós compartilhamos algumas funções neurológicas com os animais e, assim como acontece com os humanos, quando neurotransmissores não funcionam adequadamente, o animal pode apresentar problemas psicológicos, como a depressão”, diz a pesquisadora.

Os “figuras” do reino animal

Ok, já sabemos que cada animal é único, assim como cada ser humano é único. Mas existem certos traços de personalidade que, algumas vezes, se sobressaem nas espécies. Por exemplo, é comum ouvir que gatos são animais curiosos, golfinhos são sociáveis e cães labradores são calmos.

Muitas pesquisas indicam que alguns grupos podem fazer coisas realmente muito próximas do comportamento humano: 

Relaxa, pombas! - Raul Arboleda/AFP
Relaxa, pombas!
Imagem: Raul Arboleda/AFP

Procrastinadores

A velha frase "Não faça hoje o que pode ser feito amanhã" cabe perfeitamente na vida das pombas que participaram de um estudo feito pelo professor de psicologia James Mazur, em uma universidade em Connecticut (EUA). 

Em seu experimento, as pombas podiam escolher se bicavam imediatamente um disco por oito vezes para ganharem uma recompensa ou se esperavam 15 segundos entre as bicadas. No entanto, se escolhessem a segunda opção, teriam que bicar de 35 a 40 vezes para conseguir a mesma recompensa. 

Resultado? Preferiram procrastinar.

Fale rápido: bonomos 'deboas' - Zanna Clay
Fale rápido: bonomos 'deboas'
Imagem: Zanna Clay

Deboístas 

Se os macacos bonomos (ou chimpanzés-pigmeus) pudessem escolher entre as duas novas "filosofias de vida" do momento nas redes sociais, certamente escolheriam ser "deboístas" --movimento que surgiu no Facebook com memes pregando a tolerância (de boas)-- e não tretistas.

Na espécie, o sexo é a chave da vida social e não há a ligação entre o ato e procriação. As fêmeas são receptivas ao sexo em qualquer período e passam boa parte do dia se masturbando. Quando não há machos disponíveis, elas copulam entre si.

Os bonomos são uma das espécies mais pacíficas entre os grandes macacos.

'Não guardo rancor, guardo nomes' - Cyril Russo via The New York Times
'Não guardo rancor, guardo nomes'
Imagem: Cyril Russo via The New York Times

Rancorosos

Inteligentes, os corvos tem a capacidade de reconhecer rostos e ainda comunicar se são ameaça para outros parceiros.

Em um experimento feito na Universidade de Washington, cientistas começaram a prender os pássaros para pesquisa. Quando os soltaram, perceberam que os corvos os assediavam sempre que saíam do escritório, independentemente das roupas que estavam usando.

Para driblar o problema, passaram a usar máscaras, mas eram reconhecidos também. Quando um dos pesquisadores voltou a usar a máscara cinco anos depois, foi reconhecido por um corvo mais novo. Sinal de que os mais velhos já tinham espalhado a notícia.

Olha como sou fofo... SQN - Getty Images
Olha como sou fofo... SQN
Imagem: Getty Images

Fanfarrões? Ou psicopatas?

Em um primeiro momento, podemos achar que os golfinhos são criaturas extremamente sociáveis, com uma capacidade cognitiva bastante desenvolvida, um sistema de comunicação bastante elaborado. Muitos desses comportamentos são inatos, outros são aprendidos, tanto com outros golfinhos quanto com o ser humano. 

Mas é um mito a história de que golfinhos são animais sempre dóceis e bem-humorados. Há, inclusive, algumas suspeitas de infanticídio em golfinhos-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus), onde machos adultos foram vistos agredindo um filhote até a morte.

Mais Tilt