PUBLICIDADE
Topo

Clique Ciência: Nós conseguimos reconhecer nosso próprio cheiro?

ThinkStock/UOL
Imagem: ThinkStock/UOL

Juliana Passos

Do UOL, em São Paulo

16/04/2013 06h00

Um artigo publicado no site da revista Science mostra, pela primeira vez, evidências de que nosso cérebro é capaz de reconhecer nosso próprio cheiro em meio a tantos outros. A capacidade se deve ao encontro de um complexo de proteínas na superfície de quase todas as células do corpo.

Ela é similar à molécula usada por animais, como ratos e peixes, para escolher seus pares. Além disso, nós também podemos usá-las para diferenciar pessoas.

Cada um de nós possui uma combinação específica desse complexo, que permite ao sistema imunológico detectar que aquelas células são nossas e não de um ser nocivo a nosso corpo.

“Há regiões do cérebro que são acionadas apenas quando seu próprio grupo de moléculas MHC [Complexo principal de histocompatibilidade] é identificado”, explica o biólogo do Instituto de Imunobiologia e Epigenética Max Planck, localizado em Fraiburgo, na Alemanha.

Em 1995, um estudo, que ficou conhecido como "estudo da camiseta suada", concluiu que mulheres preferem o cheiro de homens que têm genes de MHC diferentes dos delas.

Várias questões ainda precisam ser esclarecidas, como quais são os receptores presentes no nariz responsáveis pela identificação de nosso próprio cheiro.