Topo

Nave russa vai à Estação Espacial Internacional em homenagem à Apolo 11

20/07/2019 14h33

Moscou, 20 jul (EFE).- Com três tripulantes a bordo, a nave russa Soyuz MS-13 decolou neste sábado da base de Baikonur, no Cazaquistão, rumo à Estação Espacial Internacional, um voo de homenagem à missão Apollo 11, que há exatos 50 anos levava o homem pela primeira vez a pisar na Lua.

A Soyuz decolou na hora prevista, às 21h28 no horário local (13h28 em Brasília), com a ajuda do foguete Soyuz-PG. Os responsáveis pela missão calculam que a nave se acoplará à estação internacional em cerca de seis horas.

Os tripulantes são o russo Aleksandr Skvortsov, o americano Andrew R. Morgan e o italiano Luca Parmitano, que levam em seus uniformes um broche especial para lembrar o 50º aniversário da missão Apollo 11 à Lua.

Assim como há 50 anos, a insígnia usada pelos tripulantes da Soyuz MS-13 não inclui os nomes dos astronautas. Segundo Parmitano, os resultados obtidos por eles, como os da Apollo 11, pertencerão a toda humanidade.

Parmitano, que viaja pela segunda vez à estação internacional, e Skvortsov, que participa pela terceira vez da missão, ficarão no local por 201 dias, até 6 de fevereiro de 2020. Já Morgan, estreante, segue como inquilino da plataforma por 256 dias, até 1º de abril do próximo ano.

Eles se somarão à tripulação que está na estação desde março: o cosmonauta russo Alexi Ovchinin e os astronautas americanos Christina Hammock e Nick Hague.

Para os russos, o teste mais importante a ser realizado pelos dois cosmonautas no país é a batizada como Ispitatel, que levará o robô FEDOR à estação internacional. Skvortsov e Ovchinin tentarão provar se a máquina tem capacidade de ser utilizada em futuras missões espaciais de transporte.

O diretor da agência espacial da Rússia (Roscomos), Dmitri Rogozin, parabenizou a Nasa pelo aniversário da Apollo 11, que levou há 50 anos três astronautas à Lua: Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins. EFE

Mais Tilt