PUBLICIDADE
Topo

Espanha será país com maior expectativa de vida em 2040, aponta estudo

15/10/2018 21h01

Washington, 15 out (EFE).- Os espanhóis terão expectativa de vida superior a 85,5 anos de idade em 2040, se tornando assim o país com números mais altos no quesito, segundo estudo feito pela Universidade de Washington, nos Estados Unidos, divulgado nesta segunda-feira à Agência Efe.

Atualmente, os habitantes da Espanha vivem cerca de 82,9 anos, em média, o que coloca o país na quarta colocação no ranking mundial, que é composto por 195 nações. Logo a frente, aparecem Japão, Suíça e Singapura, em lista que avalia situação da saúde em nível nacional, taxas de mortalidade, entre outros.

As projeções do Instituto para a Métrica e Avaliação da Saúde ligado a Universidade de Washington, aponta que a Espanha assumirá a primeira colocação em 2040, caso siga as tendências recentes na área da saúde pública.

Além disso, no melhor cenário possível, apontado no relatório, a expectativa de vida na Espanha poderia crescer em até 4,5 anos, o que representaria atingir a marca de 87,4 anos.

Em 2016, as dez principais causas de morte prematura na Espanha era, em ordem: cardiopatia isquêmica, Alzheimer, câncer de pulmão, AVC, doença pulmonar obstrutiva crônica, câncer de cólon e reto, câncer de mama, suicídio, outras doenças cardiovasculares e infecções respiratórias inferiores.

Em 2040, no entanto, se espera que os motivos fundamentais de óbitos prematuros no país sejam Alzheimer, cardiopatia isquêmica, câncer de pulmão, doença pulmonar obstrutiva crônica, câncer de cólon e reto, AVC, doença renal crônica, outras doenças cardiovasculares, câncer de pâncreas e diabetes.

Estados Unidos, por sua vez, que aparece na posição número 43 no ranking elaborado pela Universidade de Washington, com uma esperança de vida de 78,7 anos, mas, cairá para o 64º, de acordo com os cálculos dos especialistas.

Por outro lado, a equipe liderada pelo professor Kyle Foreman projetou um aumento significativo, em nível global, das mortes por doenças não transmissíveis, que incluem diabetes, males renais crônicos e câncer de pulmão, assim como a piora dos resultados relacionados a obesidade.

Nas conclusões, os autores destacam que existe "um grande potencial" para encaminhar as políticas de saúde para a luta contra pressão arterial alta, obesidade, tabaco, álcool e poluição do ar, entre outros.

Além disso, recomendaram aos governos nacionais abordarem "fatores de risco-chave", como os níveis de educação e a renda per capita, para melhorar a expectativa de vida em seus países.

Tilt