PUBLICIDADE
Topo

Nasa descobre dois planetas ao redor de aglomerado de estrelas

Composição artística mostra que planetas gigantes em um aglomerado de galáxias podem orbitam astro parecido com o nosso Sol - Nasa/JPL-Caltech
Composição artística mostra que planetas gigantes em um aglomerado de galáxias podem orbitam astro parecido com o nosso Sol Imagem: Nasa/JPL-Caltech

20/09/2012 17h21

Cientistas americanos encontraram, pela primeira vez, evidências de planetas que podem se formar e sobreviver ao redor de estrelas similares ao Sol, apesar de integrarem densos aglomerados estelares, anunciou a Nasa (Agência Espacial Norte-Americana). Os astrônomos descobriram duas órbitas similares às de Júpiter no aglomerado Beehive, que tem cerca de mil estrelas que parecem brotar ao redor de um centro comum. 

"Este tem sido um grande enigma para os caçadores de planetas", disse Sam Quinn, doutorando em Astronomia da Universidade do Estado da Geórgia, em Atlanta, e principal autor do artigo que descreve os resultados. 

"Sabemos que a maioria das estrelas se forma em entornos agrupados, como na Nebulosa de Orion. Ao menos que este entorno denso iniba a formação de planetas, algumas estrelas similares ao Sol em aglomerados devem ter planetas", afirmou Quinn. "Agora sabemos, finalmente, que estão por aí."

 

A descoberta deixou os astrônomos desconcertados, já que cientistas teorizavam, até então, que planetas gasosos não podem se formar muito próximos de uma estrela porque evaporariam. A explicação mais disseminada até o momento é que os planetas se formam mais longe e, em seguida, migram para o exterior, mais perto da estrela.

Levando em conta a relativa juventude das estrelas de Beehive, os planetas que acabam de ser descobertos poderiam ajudar os cientistas a desenvolver a teoria a respeito. Se as estrelas são jovens, significa que os planetas também devem ser, o que "estabelece uma limitação sobre a velocidade com que os planetas gigantes migram para dentro", disse Russel White, pesquisador da Nasa, financiador do estudo. "Saber a que velocidade [os planetas] migram é o primeiro passo para descobrir como o fazem."

A equipe descobriu os gigantes Pr0201b e Pr0211b, usando um telescópio Tillinghast de 1,5 metro em um observatório do Arizona, nos Estados Unidos, com o objetivo de medir o tremor gravitacional ao qual os planetas induzem suas estrelas-mãe. Os cientistas tinham descoberto anteriormente dois planetas ao redor de estrelas maciças, mas ainda não tinham encontrado nenhum ao redor de estrelas similares à estrela que ocupa o centro do nosso sistema solar.