PUBLICIDADE
Topo

Moto G8: líder de vendas, aparelho ainda é o rei do custo-benefício?

Wellington Arruda

Colaboração para Tilt

20/05/2020 04h00

A oitava geração da linha Moto G tem quatro smartphones, sendo o Moto G8 a versão "comum". Depois de 100 milhões de unidades vendidas, os celulares desta linha ganharam mais recursos, avançaram no design e em especificações. Mas no caso da versão "comum", ele continuou basicamente o mesmo: manteve o bom custo-benefício, mas não tem nenhum destaque.

Apesar de ter ficado com uma tela enorme, o Moto G8 esbarra em uma resolução baixa. Outros pontos evoluíram um pouco mais, como a bateria e as câmeras, que agora são três na parte traseira.

Mas por ser um intermediário-básico, não é um celular com especificações de ponta. Em sua "carreira" ele sempre foi ok para a maioria do público não exigente, e isso acontece novamente neste G8.


Divulgação

Moto G8

Preço

R$ 1.299 R$ 1.067 (Shopping UOL - 28/04/2020)
TILT
3,5 /5
USUÁRIOS
5,0 /5
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

Pontos Positivos

  • Roda Android 10 com atalhos, gestos e ações da Motorola.
  • A bateria tem longa duração e não esgota com facilidade.

Pontos Negativos

  • Câmeras com baixo desempenho em cenários de pouca luz.
  • A baixa resolução para uma tela de 6,4 polegadas.

Veredito

O Moto G8 se posiciona bem entre os intermediários de baixo custo. Ele traz boa bateria, design relativamente bonito, tela enorme e desempenho dentro da média. Se a intenção não for desempenho bruto ou câmeras excelentes, ele pode ser uma boa escolha.

O visual do Moto G8 me agradou de cara por apresentar características que lembram celulares mais caros, como uma tela que ocupa a maior parte da frente com o entalhe para a câmera frontal. Sua traseira é em plástico liso com algumas linhas internas que deixam o visual agradável.

Ainda na traseira, as três câmeras e o flash ficam no topo da lateral esquerda, e o leitor de impressão digital, ao lado e centralizado. Ele ainda tem a entrada para fones de ouvido de 3,5mm no topo, e a entrada híbrida para chips de operadora (SIM) e cartão microSD.

Seu corpo é todo feito em plástico mas não passou insegurança quanto a durabilidade. E, sim, o Moto G8 é um celular grande (mas não muito pesado) e pode ser desconfortável em alguns momentos.

Neste ponto, a Motorola fez um trabalho interessante para a faixa em que ele briga. As bordas poderiam ser menores, bem como o furo da câmera. Mas, no geral, o visual dele é bem bonito para a faixa de celulares básicos.

Por ser um celular grande, sua tela acompanha a tendência. Ela é IPS LCD e tem 6,4 polegadas com resolução HD+. Esta resolução oferece nitidez baixa para vídeos em alta qualidade. Ela é até inferior às telas das últimas gerações da mesma linha e do que a dos irmãos Moto G8 Plus e G8 Power.

Fora isso, a tela tem cores vivas, e seu tamanho é ótimo para assistir vídeos, filmes ou jogar. Mas, claro, com o celular próximo do rosto você perceberá um certo efeito serrilhado e poderá enxergar menos detalhes.

No uso geral, este ponto passa despercebido. A tela tem boa taxa de resposta ao toque, além de todo o conteúdo ser visto em uma área grande. Lendo notícias, rolando feeds e até mesmo com dois aplicativos ao mesmo tempo, a experiência é boa.

Neste ano, a linha Moto G8 trouxe uma configuração de processador Snapdragon 665 e 4 GB de memória RAM. Neste modelo, que tem 64 GB de armazenamento, as coisas não são diferentes. Ele vem com Android 10, que traz funções, gestos e recursos exclusivos da Motorola. No tradicional aplicativo Moto é possível gerenciar as ações por gestos —como para abrir rapidamente a câmera e o flash/lanterna— e atalhos rápidos.

Seu desempenho é apenas razoável, podendo rodar jogos e aplicativos pesados de forma menos fluida que os celulares melhores e mais caros. Especialmente em jogos, o ideal é ajustar os gráficos para o nível "médio/normal" para não sofrer com lentidão.

Os aplicativos também não abrem instantaneamente, mas funcionam normalmente depois de abertos. No geral, é recomendado para quem costuma fazer um uso regular e não pretende rodar apps ou jogos muito exigentes.

O Moto G8 se mostrou um celular com autonomia de bateria confortável. Pesa nisto sua tela com resolução mais baixa, que gasta menos energia.

Dito isto, os 4.000 mAh deste smartphone oferecem carga para um dia inteiro com bastante tranquilidade. Em alguns dias, fui capaz de tirá-lo com 90% da tomada e cheguei ao fim da noite com mais de 20% sobrando.

O tempo de tela ligada rendeu uma média de sete horas por dia. E isto sem deixar de lado aplicativos de redes sociais, WhatsApp, vídeos no YouTube, jogos e a câmera do celular.

As fotos com o Moto G8 ficam com cores vivas e um bom nível de detalhes. Em condições de boa luz, o celular consegue fazer fotos muito boas.

Ele tem câmeras de 16 MP (principal), 8 MP (grande angular, 118 graus) e 2 MP (macro). Esta última é bem pontual e não faz muita diferença no conjunto. Já a de ângulo aberto produz fotos bem amplas e com bastante contraste, embora perca nitidez em relação à câmera principal. O Moto G8 ainda conta com um sensor infravermelho para fazer fotos com o modo retrato.

Outro detalhe do celular é que o recurso HDR pode ajudar em lugares com baixa iluminação, pois o Moto G8 não tem modo noturno para a câmera. Mas, com o HDR ligado, as fotos com pouca luz perdem bastante qualidade.

Para as selfies, há uma câmera de 8 MP que faz fotos com bom nível de detalhes e cores fortes. Mais uma vez, porém, seu ponto fraco está em cenários com baixa iluminação.

Atualmente, o Moto G8 é vendido por R$ 1.399 nos canais da Motorola, ou por cerca de R$ 1.067 no varejo. Nesta faixa de celulares intermediários básicos, ele se posiciona bem com a bateria, design e tamanho confortável da tela.

Mas, como estamos falando de um celular mais básico, a resolução da sua tela é inferior (HD+), as câmeras produzem resultados fracos em condições de baixa luz, e jogos muito exigentes expõem as falhas de desempenho.

Se você procura um smartphone com recursos e design atuais sem gastar demais, o Moto G8 é uma boa pedida; ele ainda mantém o equilíbrio entre preço e qualidade para o público médio.

Uma outra opção, dentro da mesma linha, é o Moto G8 Power, que tem autonomia de bateria melhor. Na concorrência, o mais próximo que vimos foi o Galaxy A30s, recém lançado aparelho da Samsung com preço na faixa de R$ 1.160 e especificações praticamente iguais.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Errata: o texto foi atualizado
O texto original era ilustrado com uma foto de um celular que não era o Moto G8. O erro foi corrigido.
Especificações técnicas
  • Sistema Operacional

  • Android 10

  • Dimensões

  • 161.3 x 75.8 x 9.0 mm e 188 gramas

  • Resistência à água

  • Não possui

  • Cor

  • Branca e azul

  • Preço

  • R$ 1.399

Tela
  • Tipo

  • IPS LCD

  • Tamanho

  • 6,4 polegadas

  • Resolução

  • HD+ (1560 x 720p)

Câmera
  • Câmera Traseira

  • 16 MP (principal) + 8 MP (ângulo aberto) + 2 MP (macro)

Dados técnicos
  • Processador

  • Qualcomm Snapdragon 665 octa-core (2 GHz)

  • Armazenamento

  • 64 GB (aceita cartão microSD)

  • Memória

  • 4 GB

  • Bateria

  • 4.000 mAh