PUBLICIDADE
Topo

Galaxy M62: bateria e chip agradam, mas ainda falta para ser top de linha

Samsung Galaxy M62 - Renata Baptista/Tilt
Samsung Galaxy M62 Imagem: Renata Baptista/Tilt

Renata Baptista

De Tilt, no Recife

22/09/2021 04h00

No final do ano passado, a Samsung lançou o Galaxy M51, com grande destaque para a sua bateria de 7.000 mAh, a maior em números entre os celulares vendidos no mercado brasileiro. Em agosto deste ano, o modelo ganhou um irmão mais novo com a mesma potência: o Galaxy M62.

Além da boa autonomia da bateria, o Galaxy M62 possui um visual marcante, tela com bom tamanho para vídeos e desempenho de respeito. Com esses atrativos, o celular promete conquistar um público exigente no mercado de celulares. Mas será que ele é tudo isso mesmo? Tilt testou o aparelho por uma semana e conta agora as nossas impressões.

O primeiro ponto é que algumas configurações puxam o celular para a categoria de intermediário, mesmo com o preço de lançamento mais salgado. Entre os fatores que poderiam melhorar estão: a falta de som estéreo, de uma certificação que proteja contra água e poeira e falta de acesso às redes 5G. A vantagem é que desde agosto o seu preço caiu bastante. O que muda toda a questão do custo-benefício.


Divulgação

Samsung Galaxy M62

Preço

R$ 3.499 (lançamento) R$ 1.799 (lojas varejistas - 21/09/2021) Comprar
TILT
3,3 /5
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

Não há som estéreo

Preço de saída elevado

Pontos Positivos

  • Bateria potente
  • Câmeras acima do padrão para celulares intermediários
  • Bom desempenho
  • Visual marcante

Pontos Negativos

  • Não tem suporte ao 5G
  • Tela podia ter uma taxa de atualização mais avançada
  • Áudio mono

Veredito

O Galaxy M62 possui uma boa bateria e configuração de respeito em termos de processador. Mas alguns fatores podiam ser melhores, como a falta de som estéreo e de acesso ao 5G, além de uma aparente fragilidade.

A tela do Galaxy M62 tem tecnologia Super Amoled+ de 6,7 polegadas (cerca de 17 centímetros), com resolução FHD+ (1.080 x 2.400). Ela tem poucas bordas e acredito que a Samsung fez um bom trabalho aproveitando todos os seus cantos.

O painel apresenta cores intensas e uma boa visualização sob diferentes ângulos.

Galaxy M62 - Renata Baptista/Tilt - Renata Baptista/Tilt
Imagem: Renata Baptista/Tilt

A taxa de atualização da tela é de 60 Hz — este número se refere à fluidez com que as imagens aparecem na tela, e quanto maior, melhor. Esse número já está ficando para trás. Mesmo outros celulares intermediários já ganham destaques por apresentarem esse índice de 90 Hz ou até mesmo 120 Hz (que permite que cenas sejam mostrada até 120 quadros por segundo).

Por isso, ponto negativo considerando o seu alto preço de lançamento.

Galaxy M62 - Renata Baptista/Tilt - Renata Baptista/Tilt
Imagem: Renata Baptista/Tilt

O visual chama a atenção. O M62 está disponível em duas combinações de cores, com um aspecto metálico, meio espelhado, em linhas verticais, seguindo em degradê: de preto para prata ou de azul para prata (que foi a versão que testamos).

O efeito é bem bonito e dá até vontade de usá-lo sem capa protetora. Mas as marcas de dedo logo aparecem e mudamos de ideia.

Além disso, há ainda uma aparente fragilidade do corpo, todo feito de plástico, sem certificação de proteção contra poeira ou água. Melhor garantir e colocar a capinha mesmo.

No lado direito do celular ficam os controles de volume e o botão de liga/desliga — que integra o sensor de impressões digitais, que é bem rápido e eficiente. Na lateral esquerda, logo em cima, está a gaveta de chips (de memória e de linha telefônica).

Embaixo fica o espaço para conexão de fones de ouvido (que não estão inclusos na caixa), a porta USB-C e o único alto-falante do telefone.

A bateria é mesmo o ponto forte do Galaxy M62, que possui 7.000 mAh. O valor é bem alto — sendo o maior e mais recente celular disponível no Brasil com tudo isso.

A promessa é de autonomia para mais de dois dias de uso moderado ou quase dez horas em atividades intensas, como streaming de vídeo ou jogos, segundo a Samsung.

O nosso teste ficou um pouco limitado pelo curto prazo que tivemos disponível para ficar com o aparelho (uma semana). Em todo caso, a bateria no geral aguentou bem. Em dois dias mais intensos, com direitos a vídeos de streaming e jogos, o celular não precisou ver a tomada tão cedo.

O tempo de recarga de 0% para 100% com o carregador de 25W que acompanha o celular ficou em pouco mais de duas horas. É um tempo um pouco longo, mas considerando o tamanho da bateria, é de se esperar que o processo demore um pouco.

O Galaxy M62 possui uma configuração de respeito: o processador é octa-core Exynos 9825 acompanhado da GPU Mali-G76 — é o mesmo chip que equipa o top de linha Galaxy Note 10 / 10+.

São 8 GB de RAM, aquela memória que ajuda no funcionamento do celular. Com isso, o aparelho é bem rápido para qualquer ação, seja do uso do dia a dia a jogos pesados. De armazenamento, são 128 GB. A memória pode ser expandida para até 1 TB com cartão microSD.

O conjunto fez com que o celular rodasse com desenvoltura os aplicativos testados — inclusive jogos —, sem travar ou engasgar. Ponto positivo aqui.

Galaxy M62 - Renata Baptista/Tilt - Renata Baptista/Tilt
Detalhe do conjunto de câmeras
Imagem: Renata Baptista/Tilt

O conjunto de câmeras não fica atrás entre os celulares intermediários.

A frontal de 32 MP fica no centro da parte superior da tela e entrega boas selfies.

Na traseira são quatro câmeras:

  • 64 MP (principal)
  • 12 MP (ultrawide, com ângulo de 123°)
  • 5 MP (macro, para tirar fotos detalhadas de objetos aproximados)
  • 5 MP (sensor de profundidade, para ajudar no desfoque do fundo)

A macro de 5 MP é um ponto positivo, uma vez que o comum no mercado para uma câmera desse tipo tem sido 2 MP.

A gravação de vídeo é feita em UHD 4K, com resolução de 3.840 x 2.160, com 30 fps. Nos testes, foram registrados poucos tremidos e boa qualidade do som. O alcance do zoom digital é de até 10 vezes.

Galaxy M62: fotos tiradas pelo celular da Samsung

O Galaxy M62 foi lançado por R$ 3.499 e a Samsung fez um valor promocional de R$ 2.499 até o final de agosto de 2021. Considerando apenas o preço de lançamento, ficaria complicado recomendar o aparelho.

Com esse valor, é possível encontrar modelos top de linha — até da própria Samsung — de anos anteriores que ainda são muito bons. Um exemplo é o Galaxy S20, que pode ser comprado por menos de R$ 4 mil em promoções. Se tiver como pagar à vista, encontramos o Galaxy S21, deste ano, por R$ 3.998,70.

Por outro lado. poucos meses depois, o preço caiu ainda mais. Tilt encontrou Galaxy M62 por a partir de R$ 1.799 em sites revendedores oficiais. Pagar menos de R$ 2 mil já faz a coisa mudar de cenário. O processador avançado e a bateria potente certamente irão agradar os fãs da Samsung que gostam de fazer upgrades dentro de modelos da marca.

Em resumo: o Galaxy M62 é um celular com recursos bem avançados, mas que ainda falta para ser chamado de um top de linha. Por ele ter um pé na categoria intermediário e outro na avançada, fica até difícil definir concorrentes diretos.

Especificações técnicas
  • Sistema Operacional

  • Android 11 com One UI 3.1

  • Dimensões

  • 163.9 mm x 76.3 mm x 9.5 mm; 218 gramas

  • Resistência à água

  • -

  • Cor

  • preto ou azul

Tela
  • Tipo

  • Super Amoled Plus

  • Tamanho

  • 6,7 polegadas

  • Resolução

  • 2400×1080 pixels

Câmera
  • Câmera Frontal

  • 32 MP

  • Câmera Traseira

  • 64 MP (principal) + 12 MP (ultrawide) + 5 MP (macro) + 5 MP (profundidade) e frontal de 32 MP

Dados técnicos
  • Processador

  • Exynos 9825 octa-core de 2,7 GHz com GPU Mali-G76 MP12

  • Armazenamento

  • 128 GB

  • Memória

  • 8 GB

  • Bateria

  • 7.000 mAh