Testamos o 5G

Coreia do Sul é o primeiro país a ter 5G; Tilt foi lá, testou e te conta tudo agora

Lilian Ferreira De Tilt, em Seul
Lilian Ferreira/UOL

Quando soube que iria para a Coreia do Sul, a primeira coisa que veio a minha cabeça foi: vou poder testar o 5G! O país foi o primeiro a lançar comercialmente sua rede em abril de 2019 e já conta com mais de 2 milhões de usuários.

Mas para isso, precisava ter um celular compatível com 5G. E são poucos os modelos à venda que possuem essa capacidade (agora que a tecnologia já é realidade em algumas partes do mundo as empresas estão começando a lançar mais aparelhos) e são bem caros...

Como a viagem era para conhecer a sede da Samsung, a empresa nos emprestou seu Galaxy S10 5G para o teste e pude ficar cerca de 3h navegando em uma das maiores velocidades do mundo. Aqui eu te conto como foi.

Primeira experiência: sinal inconstante

O aparelho foi entregue (já com o chip da operadora SK Telecom) durante uma visita a um dos principais pontos turísticos de Seul, capital da Coreia do Sul, o Palácio Gyeongbokgung. Por ser um lugar aberto, o sinal deveria ser um dos melhores possíveis.

Essa foi minha primeira decepção: ao olhar o indicativo do sinal do celular, ele constantemente alternava entre o 5G e o LTE (como o 4G aparece). Tentei tirar vários prints e fotos para esta matéria com o 5G aparecendo, mas confesso meu fracasso: quase todas as vezes, na hora H, o sinal voltava pro LTE.

Decidi então enviar vídeos pelo Instagram da troca da guarda do palácio que ocorria naquele momento. O upload de vídeos foi quase instantâneo. Ponto positivo, seja na rede 5G ou na 4G, a velocidade foi ótima.

Aí, claro, parti para a parte legal: fazer downloads.

Primeiro baixei o PUBG Mobile com seus 2GB de tamanho (algo que não teria coragem de fazer com meu limitado plano de dados no Brasil). Foi um furacão, baixou tudo em menos de 2 minutos. Na sequência, baixei os três episódios da terceira temporada de Black Mirror. Aí o sinal falhou bonito. Em alguns momentos demorou tanto que acho que nem no 4G estava.

No total, baixei 7,9 GB de dados em cerca de 2h.

3 pilares do 5G

5G não é só sobre velocidade, é também latência e densidade: entenda

Velocidade

As velocidades são até 20 vezes maiores do que no 4G, atingindo até 20 Gbps.


Importante para tráfego rápido de grandes informações.

Latência

É a velocidade em que a informação é acessada no servidor e volta para você.


Importante para carros autônomos e jogos.

Densidade

O 5G permitiria que mais de 1 milhão de aparelhos se conectem em um quilômetro quadrado.


Importante para Internet das Coisas.

Qualidade do 5G versus 4G na Coreia

Pensando nesses três pilares, sai dos testes de vida prática de um usuário comum e fui ver como estavam os marcadores de velocidade de upload, download e a latência.

Para isso, usei o site Fast.com, que é da Netflix e faz uma série de downloads e uploads para os servidores da empresa ao redor do mundo. Ele é interessante, pois determina a velocidade máxima que a sua conexão pode atingir. Baixei também o app Speedtest, da Ookla, que também possui servidores espalhados e é um dos mais usados do mundo.

Também estava com um celular S10 4G, que usei nesses comparativos. O sinal, mais uma vez, oscilou muito, cheguei a registrar 30 Mbps no LTE do aparelho 5G, mas a média era de 150 Mbps. Já no 4G registrei até 420 Kbps.

As velocidades, em geral, realmente impressionam e quando estiver disponível por aqui, a partir de 2020, podemos até pensar em substituir a banda larga, como já falamos em outra reportagem.

Abaixo, mostro a comparação das velocidades mais rápidas de download, com os números de upload, download e latência ou ping, medidos em milissegundos.

Sinal em lugar fechado

Depois da visita, fomos almoçar em um prédio alto, com vista para o rio. No caminho, me atrevi a jogar um pouco o PUBG. Com o 5G funcionado, não apresentou nenhum engasgo (pelo menos até eu morrer no jogo, o que não demorou muito).

Ao chegar ao restaurante, o 5G simplesmente sumiu. Isso é explicado, parcialmente pelo menos, pelo modelo adotado na Coreia do Sul. Com bandas de 3,5 GHz e 28 GHz, a rede coreana tem como padrão uma velocidade maior, um menor alcance (o que exige maior número de antenas) e mais dificuldade em ultrapassar barreiras como paredes.

Eu só não esperava que minha experiência com o 5G fosse terminar logo após a minha morte trágica no jogo no caminho para o restaurante. Depois do almoço, chegou ao fim as poucas horas em que pude usufruir da nova tecnologia.

Cidade digital teve teste de ônibus autônomo com 5G

Depois do almoço, fui até a Sangam Digital Media City (DMC), uma área mais afastada da capital coreana, onde tinha acontecido há poucos dias um teste com ônibus autônomo ligado à rede 5G, que com 11 pessoas a bordo andou por 500 metros. O teste faz parte do C-ITS (Sistema de Transporte Cooperativo Inteligente), que pretende instalar capacidade de carros autônomos rodarem em 121,4 quilômetros da capital até 2020.

Tanto carros quanto aparelhos nas ruas são conectados pelo 5G para responder a vários sinais de trânsito, mas também a situações inesperadas. Eles trabalham com uma central, mas cada veículo ainda precisa ter um motorista para agir em caso de necessidade.

O sistema de ônibus autônomo deveria rodar, a partir da "inauguração", todos os dias para testar constantemente o sistema, mas no dia de nossa visita ele não estava disponível. Por lá, conheci os modernos prédios das empresas de mídia local e pude aproveitar o Wi-Fi grátis de 10 Mbps.

5G é para conectar tudo

  • Carros autônomos

    O uso mais dito é que com o 5G a adoção dos carros autônomos se torna realidade. Há testes em várias partes do mundo, com carros, ônibus e até caminhões. Com isso, diminuiria o trânsito e acidentes.

  • IoT

    Sim, o sonho da casa conectada está mais perto com o 5G. Antes mesmo de você chegar em casa o ar-condicionado é acionado automaticamente para ir deixando o ambiente agradável. O forno liga e começa a esquentar sua comida. Ao entrar em casa, TV, luzes e som começam a funcionar para te recepcionar. Tudo graças a internet que conectará seu celular, seu carro e sua casa.

  • Cidade conectada

    E não é só na sua casa. A cidade inteira estará conectada. Com isso, semáforos, pontos de ônibus, vagões de trem saberão a hora de passar. Se existir algum problema em algum ponto, ele pode ser corrigido com a ajuda da inteligência artificial antes mesmo que você note. A latência menor é o que ajuda a ter respostas mais rápidas.

  • Fábricas

    Você provavelmente nunca pensou nisso, mas máquinas gigantes, de fábricas, conectadas à internet sem fio se tornam muito mais eficientes. Tanto para mandar dados e apontar problemas, quando para poderem mudar de lugar sem precisar de toda a infra-estrutura de cabos junto.

  • Estádios

    A vida nos estádios para shows pode ser muito melhor. Seu celular já faz o caminho para seu assento, já deixa ele programado com as suas preferências (e quem sabe bebidas e comidas já na mão). A conexão vai funcionar o tempo todo, para todo mundo, graças à densidade. No final, o sistema inteligente, conectado a todo o espaço, pode medir quantas pessoas estão saindo ao mesmo tempo. Nesse momento, envia descontos na loja oficial para quem geralmente vai à loja. Oferece também descontos no restaurante para quem deixa para comer após o evento. Com isso, é possível reduzir o tráfego de pessoas e evitar aquela multidão e trânsito no final de grandes eventos.

Curtiu? Compartilhe.

Topo