Cofundador do Google DeepMind pede que EUA imponham padrões de IA, diz jornal

(Reuters) - Os Estados Unidos devem permitir os chips de inteligência artificial da Nvidia apenas para compradores que concordem em usar a tecnologia de forma ética, disse o cofundador do Google DeepMind, Mustafa Suleyman, ao Financial Times, nesta sexta-feira.

Os Estados Unidos devem impor padrões globais mínimos para o uso da inteligência artificial, e as empresas devem, no mínimo, concordar em cumprir a mesma promessa feita pelas principais companhias do setor à Casa Branca, afirmou Suleyman.

Em julho, as empresas do setor, incluindo OpenAI, Alphabet e Meta, assumiram compromissos voluntários com a Casa Branca para implementar medidas como a marca d'água de conteúdo gerado por IA para tornar a tecnologia mais segura.

"Os Estados Unidos devem exigir que qualquer consumidor de chips da Nvidia assine pelo menos os compromissos voluntários -- e, provavelmente, mais do que isso", disse Suleyman.

Mustafa Suleyman também é o chefe-executivo da Inflection AI, uma startup apoiada pela Microsoft que arrecadou 1,3 bilhão de dólares em junho da Nvidia e de outras empresas.

Em maio, a Inflection lançou um chatbot de inteligência artificial chamado Pi, que usa tecnologia de IA generativa para interagir com os usuários por meio de conversas, nas quais as pessoas podem fazer perguntas e compartilhar interesses.

Executivos e especialistas têm pedido aos desenvolvedores da tecnologia que trabalhem com autoridades de política monetária sobre governança e autoridades regulatórias.

(Reportagem de Lavanya Ahire em Bengaluru)

Deixe seu comentário

Só para assinantes