PUBLICIDADE
Topo

Sony enfrenta rivais muito endinheirados em guerra pelo futuro dos games

Divulgação/Sony
Imagem: Divulgação/Sony

19/01/2022 13h35

A Sony está enfrentando um novo desafio de rivais com amplos recursos que estão apostando em crescimento acelerado de uma nova geração de videogames online ao mesmo tempo em que o conglomerado japonês busca expansão em várias frentes, incluindo carros elétricos.

A Microsoft deu um grande passo para se posicionar para o "metaverso" com anúncio na véspera de compra da produtora de "Call of Duty", Activision Blizzard, por 69 bilhões de dólares.

As ações da Sony caíram 13% nesta quarta-feira em meio à preocupação de que os jogos a Activision sejam retirados dos consoles PlayStation.

"Eles estão basicamente tentando construir um monstro", disse Serkan Toto, fundador da consultoria Kantan Games em Tóquio. "Não acho que a Microsoft esteja gastando 70 bilhões de dólares para se tornar um fornecedor de software para plataformas da Sony."

A estratégia da Microsoft contrasta com a da Sony, que fez acordos incrementais e ganhou elogios por construir uma rede de estúdios de videogames que produziram sucessos como "Homem-Aranha" e "God of War". Analistas dizem que a empresa - e outras do setor - agora podem sentir pressão para fazerem mais acordos em resposta ao avanço da Microsoft.

Nesta quarta-feira, ações de produtoras de videogames como Square Enix e Capcom subiram em meio a especulações de investidores de que o anúncio da compra da Activision pode gerar mais consolidação no setor.

O acordo provavelmente ajudará a expansão agressiva do serviço de assinatura Game Pass, da Microsoft, o que levanta preocupações de que a Sony será forçada a seguir o exemplo. Oferecer jogos por uma taxa fixa pode prejudicar as vendas e corroer as margens.

A companhia japonesa tem uma programação de games muito aguardados, incluindo "Gran Turismo 7" e "Horizon Forbidden West". A Microsoft se apoiou fortemente na série "Halo", cuja última versão foi adiada antes do lançamento em dezembro.

A Sony, que planeja lançar um headset de realidade virtual de próxima geração, também está considerando entrar no negócio de carros elétricos para aproveitar sua vantagem em áreas como entretenimento e chips.

"A Sony pode estar sob pressão para fazer mais aquisições", escreveu o analista Atul Goyal, da Jefferies, acrescentando que "se não houver gargalos regulatórios, a Microsoft poderá perseguir outro alvo em um futuro não muito distante".