PUBLICIDADE
Topo

Ucrânia suspeita de grupo ligado à inteligência de Belarus por ataque cibernético

Bandeiras da Ucrânia e Belarus - Getty Images
Bandeiras da Ucrânia e Belarus Imagem: Getty Images

Por Pavel Polityuk

KIEV (Reuters)

17/01/2022 17h40

Kiev acredita que um grupo de hackers ligado à inteligência bielorrussa realizou um ataque cibernético que atingiu sites do governo ucraniano nesta semana e usou malware semelhante ao usado por um grupo ligado à inteligência russa, disse uma autoridade graduada de segurança da Ucrânia.

Serhiy Demedyuk, vice-secretário do Conselho de Segurança e Defesa Nacional, disse à Reuters que a Ucrânia culpou um grupo conhecido como UNC1151 pelo ataque de sexta-feira - que desfigurou sites do governo com mensagens ameaçadoras - e que foi um acobertamento para ações mais destrutivas nos bastidores.

Seus comentários oferecem a primeira análise detalhada de Kiev sobre os supostos culpados do ataque cibernético em dezenas de sites. Na sexta-feira, autoridades disseram que a Rússia provavelmente estava envolvida, mas não deram detalhes. Belarus é aliada próxima da Rússia.

O ataque cibernético inundou sites com um alerta para "ter medo e esperar o pior" em um momento em que a Rússia concentra tropas perto das fronteiras da Ucrânia, e Kiev e Washington temem que Moscou esteja planejando um novo ataque militar à Ucrânia.

A Rússia classificou tais temores como "infundados".

O gabinete do presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre as declarações de Demedyuk.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia também não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre as observações. Anteriormente, havia negado envolvimento em ataques cibernéticos, inclusive contra a Ucrânia.

"A desfiguração dos sites foi apenas um acobertamento para ações mais destrutivas que estavam ocorrendo nos bastidores e cujas consequências sentiremos no futuro próximo", afirmou Demedyuk em comentários por escrito.

Em referência ao UNC1151, ele disse: "Este é um grupo de espionagem cibernética afiliado aos serviços especiais da República de Belarus".