PUBLICIDADE
Topo

Inclusão de joguinho em painel de carros faz Tesla ser investigada nos EUA

Console do carro elétrico Model S, da Tesla - Divulgação
Console do carro elétrico Model S, da Tesla Imagem: Divulgação

David Shepardson

Em Washington

22/12/2021 10h56Atualizada em 22/12/2021 19h03

Reguladores de segurança automotiva dos Estados Unidos disseram nesta quarta-feira que abriram uma investigação formal de segurança envolvendo 580 mil veículos Tesla vendidos desde 2017 por conta da decisão da montadora de permitir que videogames possam ser jogados no painel central dos carros.

A Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário (NHTSA) disse que sua avaliação preliminar envolve veículos Tesla Modelos 3, S, X e Y de 2017 a 2022. Essa funcionalidade, conhecida como "Passenger Play", pode distrair o motorista e aumentar o risco de acidente", informou a agência.

A NHTSA disse que "confirmou que esta funcionalidade está disponível desde dezembro de 2020 em veículos equipados com Tesla 'Passenger Play'". Antes disso, o recurso "era habilitado apenas quando o veículo estava estacionado".

A Tesla não comentou o assunto.

O New York Times disse que a atualização da Tesla adicionou três jogos - Paciência, um de aviões e outro de estratégia - e disse que os veículos exibem avisos com a mensagem: "Jogar enquanto o carro está em movimento é apenas para passageiros."

O jornal disse que o jogo pede a confirmação de que o jogador é um passageiro, embora o motorista ainda possa jogar pressionando um botão.

Uma avaliação preliminar é a primeira etapa antes que a NHTSA decida realizar uma análise de engenharia, o que deve acontecer antes que a agência possa exigir um recall.

A agência disse que recebeu uma reclamação em novembro sobre o jogo. A queixa veio de um motorista do Model 3 em Oregon, que disse: "Criar uma distração perigosa para o motorista é negligência imprudente."

Em 29 de novembro, a Mercedes-Benz fez um recall de 227 veículos nos Estados Unidos porque os sistemas de entretenimento dos carros "podiam permitir a ativação da tela e da internet durante a condução, causando distração para o motorista."