PUBLICIDADE
Topo

Bitcoin britânico? Reino Unido considera nova moeda digital

19/04/2021 09h13

Por Huw Jones e David Milliken

LONDRES (Reuters) - O ministro das Finanças britânico, Rishi Sunak, disse ao Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) nesta segunda-feira para examinar a possibilidade de um novo "Britcoin", ou moeda digital apoiada pelo banco central, que visa enfrentar alguns dos desafios colocados pelas criptomoedas como o bitcoin.

Uma versão digital da libra esterlina apoiada pelo BoE permitiria potencialmente que empresas e consumidores mantivessem contas diretamente com o banco e contornassem outros ao fazer pagamentos, alterando o papel dos credores no sistema financeiro.

"Estamos lançando uma nova força-tarefa entre o Tesouro e o Banco da Inglaterra para coordenar o trabalho exploratório em uma potencial moeda digital do banco central (CBDC)", disse Sunak em uma conferência do setor financeiro.

Logo depois, Sunak tuítou a palavra "Britcoin", uma junção das palavras "Britain", de Reino Unido e "Bitcoin", a moeda digital, em resposta ao anúncio do ministério das Finanças sobre a força-tarefa.

Outros bancos centrais também estão estudando a possibilidade de criar versões digitais de suas próprias moedas, ampliando essencialmente o acesso aos fundos do banco central, que no momento apenas os bancos comerciais podem usar. Isso poderia acelerar os pagamentos internos e externos e reduzir os riscos à estabilidade financeira.

A China está na frente para lançar uma CBDC. Na semana passada, o Banco Central Europeu (BCE) disse que estava estudando uma forma eletrônica de dinheiro para complementar cédulas e moedas, mas que qualquer lançamento ainda demoraria vários anos.

O BoE disse que uma versão digital da libra esterlina não substituiria o dinheiro físico, nem as contas bancárias existentes.

"O governo e o Banco da Inglaterra ainda não tomaram uma decisão sobre a introdução de uma CBDC no Reino Unido e irão se envolver amplamente junto às partes interessadas sobre os benefícios, riscos e aspectos práticos de fazê-lo", disse o BoE.

(Reportagem adicional de Tom Wilson)