PUBLICIDADE
Topo

Até mesmo o clima tem seu papel na atual escassez dos chips eletrônicos

xb100/Freepik
Imagem: xb100/Freepik

Stephen Nellis

Da Reuters, em San Francisco (EUA)

01/04/2021 13h24

Um novo estudo de um grupo da indústria dos Estados Unidos descobriu que a cadeia global de suprimentos de semicondutores se tornou cada vez mais vulnerável a desastres naturais e interrupções geopolíticas porque os fornecedores estão mais concentrados em regiões distintas.

O relatório foi feito em meio à escassez global de chips que começou atingindo fábricas em Taiwan no final do ano passado, mas desde então foi exacerbada por um incêndio em uma importante fábrica no Japão, além do clima congelante que cortou fornecimento de energia no Texas e da piora da seca em Taiwan este ano.

A escassez paralisou algumas linhas de produção em fábricas de automóveis nos Estados Unidos, Europa e Ásia.

A fabricação de chips modernos envolve mais de mil etapas e requer propriedade intelectual complexa, ferramentas e produtos químicos de todo o mundo. Mas a Associação da Indústria de Semicondutores, que representa a maioria dos fabricantes de chips dos EUA, disse na quinta-feira que encontrou mais de 50 pontos na cadeia de suprimentos em que uma única região tem mais de 65% do mercado.

A propriedade intelectual e o software para projetar chips de ponta, por exemplo, são dominados pelos Estados Unidos, enquanto os gases especiais essenciais para a fabricação de chips vêm da Europa. E a fabricação dos chips mais avançados está totalmente localizada na Ásia - 92% dela em Taiwan.

Se Taiwan não conseguir fabricar chips por um ano, isso custaria à indústria global de eletrônicos quase meio trilhão de dólares em receita, conclui o relatório: "A cadeia global de suprimentos de eletrônicos iria parar."

Ainda assim, alerta o levantamento, uma abordagem em que os governos tentam replicar a cadeia de abastecimento internamente é inviável porque custaria US$ 1,2 trilhão globalmente, com até US$ 450 bilhões desse custo apenas nos Estados Unidos, o que faria o preço dos chips disparar.

Em alguns casos, porém, o estudo defende incentivos para a criação de uma "capacidade mínima viável" em regiões que carecem de qualquer parte da cadeia de abastecimento.

No caso de EUA e Europa, isso significaria novas fábricas de chips avançados para equilibrar a concentração em Taiwan e na Coréia do Sul.

"Não temos fabricação de semicondutores suficiente nos EUA... E isso precisa ser consertado com a ajuda do governo dos EUA", disse John Neuffer, diretor-executivo da associação.