PUBLICIDADE
Topo

Dinheiro digital de BCs pode abrir passagem a novas empresas de pagamentos, diz BIS

31/03/2021 18h03

Por Tom Wilson

LONDRES (Reuters) - Moedas digitais emitidas por bancos centrais podem disparar o surgimento de uma série de novas empresas de pagamentos e chacoalhar o setor, afirmou o Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), nesta quarta-feira.

Grandes bancos centrais do mundo ampliaram esforços para desenvolver suas próprias moedas digitais, conhecidas como CBDCs, para modernizarem seus sistemas financeiros e evitarem a ameaça gerada por criptomoedas e para acelerar pagamentos domésticos e internacionais.

A maior parte dos esforços ainda está na prancheta e o Banco da Inglaterra é um dos que têm pedido colaboração com o setor privado. Os planos do banco central da China para lançamento de um iuan digital são os mais avançados.

"Um objetivo é criar uma infraestrutura que permita mais competição, o que pode significar mais fornecedores de meios de pagamento", disse o diretor-geral do BIS, Agustín Carstens, em discurso na Basileia.

"O resultado disso é que uma enxurrada de novas empresas poderá gerar uma disrupção nos mercados", acrescentou.

A perspectiva de bilhões de pessoas no mundo usando a moeda do Facebook, diem, anteriormente conhecida como libra, tem assustado bancos centrais sobre o potencial risco à estabilidade financeira e sobre o controle deles da política monetária.

A diem é também conhecida como sendo uma "stablecoin", um tipo de criptomoeda criada para evitar volatilidade típica de dinheiro eletrônico como o bitcoin e por isso é considerado como mais prático para pagamentos e comércio.

Serviços de pagamentos de grandes empresas de tecnologia, embora convenientes para os usuários, podem rapidamente dominar e achatar a competição bem como prejudicar a proteção de dados dos usuários, afirmou Carstens.

"Estas iniciativas arriscam minar os benefícios que a competição pode trazer para os serviços financeiros", afirmou. "Os riscos podem ser especialmente grandes no caso de stablecoins apoiadas por grandes empresas de tecnologia.