PUBLICIDADE
Topo

Star Wars e Jornada nas Estrelas: estamos perto de ter viagens à velocidade da luz?

Millenium Falcon, dos filmes "Star Wars"  - Reprodução
Millenium Falcon, dos filmes "Star Wars" Imagem: Reprodução

Will Dunham

Em Washington

13/03/2021 11h59Atualizada em 13/03/2021 16h14

Espaçonaves disparando à velocidade da luz ou mais rápido que isso são um lugar comum da ficção científica. Pense na Millennium Falcon dos filmes "Star Wars" e na Enterprise de "Jornada Nas Estrelas". Tais viagens parecem pura especulação, mas será que são?

Uma nova pesquisa de autoria de um físico norte-americano oferece um projeto em potencial para as viagens superluminais —acima da velocidade da luz— usando física convencional, ao invés de um conceito baseado em partículas hipotéticas e estados da matéria com propriedades físicas exóticas.

O estudo, publicado nesta semana no periódico científico Classical and Quantum Gravity, afasta a questão das viagens superluminais um passo da pesquisa teórica e avança um passo rumo a um desafio de engenharia, de acordo com o físico Erik Lentz, que realizou o trabalho na Universidade de Göttingen, na Alemanha.

Um grande obstáculo permanece, disse Lentz, em se encontrar uma maneira de diminuir dramaticamente a quantidade imensa de energia necessária para abastecer um motor de "dobra espacial" teórico antes de qualquer esperança de se construir um protótipo.

"Uma tecnologia de 'dobra espacial' é vislumbrada principalmente para acelerar o transporte no espaço profundo", disse Lentz. "Ela pode ser usada para acentuar as ambições atuais de viagem interplanetária e interestelar reduzindo drasticamente o tempo de viagem e ampliando as janelas de missões."

A estrela mais próxima do nosso sistema solar é Proxima Centauri, localizada a 4,25 anos-luz —a distância que a luz percorre em um ano. A luz viaja a cerca de 300 mil quilômetros por segundo e percorre 9,5 trilhões de quilômetros por ano.

Usando combustível de foguete tradicional, seriam necessários entre 50 mil e 70 mil anos, aproximadamente, para se chegar a Proxima Centauri, e a propulsão nuclear com a tecnologia proposta exigiria cerca de 100 anos, explicou Lentz.

Já uma viagem à velocidade da luz tomaria quatro anos e três meses.

O projeto de Lentz vislumbra viagens acima da velocidade da luz, o que "tem o potencial de viagens interestelares de ida ou ida e volta dentro do tempo de uma vida humana".

"Se nos limitarmos a viajar em velocidades abaixo da luz, espaçonaves multigeracionais precisam ser usadas para destinos além das estrelas mais próximas, o que é basicamente um caixão pretensioso, ao menos para a primeira geração de pessoas. Não acho esta perspectiva nem de longe tão inspiradora", disse Lentz.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado, a velocidade da luz é de 300 mil km por segundo. Anteriormente, o texto dizia 300 km/s. O erro foi corrigido