PUBLICIDADE
Topo

Boeing pode iniciar produção de jato não tripulado até meio da década

GettyImages
Imagem: GettyImages

Jamie Freed

05/05/2020 10h39

A Boeing vê a produção em massa de seu jato não tripulado desenvolvido na Austrália, provavelmente acontecendo no meio da década, disse um executivo nesta terça-feira, ao lançar o primeiro dos três protótipos.

"Estamos esperando que esteja sendo produzido no meio da década, talvez um pouco mais cedo", disse Shane Arnott, diretor do programa do Airpower Teaming System da Boeing, a repórteres.

Ele disse que até 16 dos drones Loyal Wingman poderiam ser associados a uma aeronave tripulada para missões e que estava com seu primeiro voo programado para até o final do ano.

A vice-marechal aéreo da Força Aérea Real Australiana (RAAF), Catherine Roberts, disse que o papel do Loyal Wingman pode incluir o transporte de armas e a proteção de ativos como o E-7A Wedgetail, além de ser usado como alvo para proteger caças tripulados como o F-35A e o Super Hornet F/A-18E/F.

Os fornecedores de equipamentos de defesa estão investindo cada vez mais em tecnologia autônoma, à medida que as forças armadas de todo o mundo buscam uma maneira mais barata e segura de maximizar seus recursos.

O governo australiano investiu 25,71 milhões de dólares no desenvolvimento do produto, que Roberts disse que também atraiu o interesse dos Estados Unidos e do Reino Unido como potenciais clientes futuros.

A aeronave Loyal Wingman tem 11,6 metros de comprimento e tem um alcance de 3.704 quilômetros e um nariz que pode ser removido para acomodar várias cargas úteis.

É o primeiro avião de combate desenvolvido na Austrália desde a Segunda Guerra Mundial e o maior investimento da Boeing em sistemas não tripulados fora dos Estados Unidos.