PUBLICIDADE
Topo

App


Coronavírus não afeta uso de app de encontros: "desejo real de se conectar"

Katie Paul e Inti Landauro e Ellen Francis

19/03/2020 16h16

Na noite em que o governo da Espanha ordenou uma paralisação em todo o país para conter a disseminação do coronavírus, Marcos, 30 anos, teve coragem de convidar à mulher com quem estava conversando há três dias pelo Tinder para visitá-lo em sua casa.

Para sua surpresa, ela aceitou. Chegando em um táxi, usando luvas e se recusando a pegar o elevador, ela manteve relação sexual com Marcos em seu apartamento antes de insistir que ele chamasse um táxi para ela antes do amanhecer para ir para casa.

"A primeira vez que uma garota aceita vir ao meu apartamento no primeiro encontro", disse Marcos, um vendedor que a Reuters concordou em identificar apenas pelo primeiro nome. "Acho que será meu último encontro antes que tudo isso acabe."

À medida que os governos determinam medidas de emergência para combater a pandemia de coronavírus, e o distanciamento social impede o encontro de pessoas em bares, cafés ou restaurantes, o amor - ou pelo menos a luxúria - ainda encontra um caminho através de aplicativos de namoro.

Enquanto alguns usuários como Marcos estão se encontrando pessoalmente, muitos estão namorando online por causa dos riscos à saúde pública, geralmente usando o recurso de videoconferência do aplicativo.

"Costumava ser mais 'ei, procurando uma conexão' e agora é como 'ei, talvez depois do coronavírus...'", disse um usuário do Grindr em Beirute, na casa dos 20 anos, que pediu para não ser identificado porque o aplicativo foi banido no Líbano. .

Não houve mudanças significativas no número de pessoas que estão baixando aplicativos de namoro nos Estados Unidos ou no mundo, de acordo com a empresa de análise Sensor Tower.

O Bumble, um dos líderes do setor, disse que o uso permaneceu estável e alinhado às tendências sazonais, enquanto o OkCupid, do Match Group, afirmou ter visto um aumento no uso entre usuários mais jovens em grandes cidades como Nova York.

"O que vemos no OkCupid é um desejo real de se conectar. À medida que mais e mais pessoas estão trabalhando em casa, cancelando todos os planos sociais, não viajando, algumas já estão se sentindo sozinhas e um pouco isoladas", disse Melissa Hobley, chefe de marketing da OkCupid.

"Em muitas cidades, o coronavírus se tornou um dos principais quebra-gelos em mensagens nos aplicativos".

Alertas de saúde

Preocupações com a saúde de usuários que vão do contato virtual para encontros físicos levaram o Grindr e o Tinder a emitir alertas de saúde, aconselhando os usuários a se protegerem e lavarem as mãos.

Uma porta-voz do Facebook disse que o Facebook Dating também estava planejando enviar notificações, embora ainda não tenha começado.

O OKCupid enfatizou que as pessoas não deveriam se encontrar pessoalmente durante a pandemia, e tanto ele quanto Bumble estavam incentivando as pessoas a participar de chats por vídeo.

No entanto, Kelsey, 29 anos, de Connecticut, disse que a maioria das pessoas que encontrou no Tinder e no Hinge ainda parecia aberta a encontros físicos. Um homem com quem ela conversou recentemente queria conhecê-la, mas sua família o proibiu de sair de casa. Outro concordou prontamente.

"Minha única razão de estar nos aplicativos são relações sexuais, e isso não mudou para mim. Se eles estão dispostos a arriscar, eu também estou", disse ela.

App