PUBLICIDADE
Topo

Grow encerra operação com patinetes elétricas em 14 cidades do Brasil

Decisão, segundo a Grow, foi tomada para que a empresa faça ajustes e "continue prestando serviços de forma estável e segura" - Eduardo Knapp/Folhapress
Decisão, segundo a Grow, foi tomada para que a empresa faça ajustes e "continue prestando serviços de forma estável e segura" Imagem: Eduardo Knapp/Folhapress

Peter Frontini

22/01/2020 16h04

SÃO PAULO (Reuters) - A Grow anunciou nesta quarta-feira que vai reestruturar suas operações no Brasil, encerrando serviço de aluguel de patinetes elétricas em 14 cidades do país. A empresa também informou que vai recolher suas bicicletas das ruas para realizar uma verificação de suas condições.

Segundo a Grow, que afirmou estar buscando parcerias públicas e privadas para expandir suas operações, a decisão pela reestruturação foi tomada para que a empresa promova um ajuste operacional e "continue prestando serviços de forma estável, eficiente e segura".

A empresa, presente em sete países, nasceu em janeiro do ano passado, após a fusão das companhias de patinetes elétricas e bicicletas Grin, do México, e Yellow, do Brasil.

"Planejar essa reestruturação nos colocou diante de decisões difíceis, porém necessárias para aperfeiçoar a oferta de nossos serviços e consolidar a nossa atuação na América Latina", afirmou o presidente-executivo da Grow, Jonathan Lewy.

No início do mês, a operadora norte-americana de patinetes elétricas Lime Technologies anunciou que encerrará suas operações no Brasil, pouco mais de seis meses após a entrada do serviço no mercado nacional.

A Grow, que afirma ser a terceira maior companhia de micromobilidade do mundo, encerará suas operações com patinetes elétricas em Belo Horizonte, Brasília, Campinas (SP), Florianópolis), Goiânia, Guarapari (ES), Porto Alegre, Santos (SP), São Vicente (SP), São José dos Campos (SP), São José (SC), Torres (RS), Vitória e Vila Velha (ES).

As patinetes que estavam nessas cidades serão transferidos para São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba, que continuarão com o serviço, afirmou a companhia.