PUBLICIDADE
Topo

Facebook está progredindo na proteção de eleições, diz executivo

 "Seremos capazes de fazer muito melhor nas eleições presidenciais dos EUA este ano", garantiu Nick Clegg, chefe de relações públicas - Tobias Schwarz/AFP
"Seremos capazes de fazer muito melhor nas eleições presidenciais dos EUA este ano", garantiu Nick Clegg, chefe de relações públicas Imagem: Tobias Schwarz/AFP

Douglas Busvine

20/01/2020 16h40

MUNIQUE (Reuters) - O Facebook fará neste ano um trabalho melhor do que fez há quatro anos para impedir que abusem de sua plataforma para manipular eleições presidenciais dos Estados Unidos, disse o chefe de relações públicas da empresa, Nick Clegg, nesta segunda-feira.

Diante de um público crítico em uma conferência de tecnologia em Munique, Clegg, um ex-vice-primeiro ministro britânico contratado pelo Facebook em 2018, disse que a interferência de russos e outros agentes na votação de 2016 que elegeu Donald Trump "chocou a todos".

Mas a maior rede social do mundo já tomou medidas efetivas para reduzir a disseminação de notícias mentirosas, disse ele, enquanto a maioria dos conteúdos políticos extremistas está sendo detectada antes de ser divulgada ao público.

"Estamos cada vez melhores em proteger eleições contra interferências estrangeiras", afirmou Clegg na conferência de tecnologia DLD. "Seremos capazes de fazer muito melhor nas eleições presidenciais dos EUA este ano do que fizemos quatro anos atrás."

O relatório do procurador especial dos EUA, Robert Mueller, sobre a suspeita de interferência russa nas eleições presidenciais constatou que agentes da Rússia usaram o Facebook para espalhar mensagens divisivas, incluindo notícias falsas, para ajudar a eleger Donald Trump e prejudicar sua oponente Hillary Clinton.

O Facebook entrou em crise quase dois anos atrás por revelações de que a consultoria política britânica Cambridge Analytica havia usado dados coletados de milhões de usuários desavisados para direcionar anúncios eleitorais.

Na plateia do evento desta segunda-feira, estava a ex-funcionária da Cambridge Analytica e delatora Brittany Kaiser que, em uma pergunta a Clegg, acusou o Facebook de comparar erroneamente a adequada tarefa de moderar o conteúdo de sua plataforma à censura.

Clegg, mantendo a calma, respeitosamente discordou: "Acho que não. Precisamos encontrar o equilíbrio certo."

"Não nos deixe em pedaços"

Em um editorial em um jornal, Clegg resistiu aos apelos de divisão das empresas gigantes de tecnologia dos EUA, pedindo aos parlamentares e reguladores que tomem medidas para criar um ambiente mais propício à concorrência.

"A regulamentação do setor de tecnologia é uma maneira muito mais eficaz de garantir que a tecnologia atenda às necessidades da sociedade do que simplesmente dividir as empresas de sucesso em pedaços", escreveu ele no jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung.

Ele pediu à nova Comissão Executiva da União Europeia para facilitar aos usuários do Facebook a transferência de dados para outra rede social.

"Se queremos uma internet aberta e competitiva, na qual novos serviços possam competir com grandes plataformas como o Facebook, precisamos permitir que as pessoas transfiram seus dados de um serviço para outro", escreveu ele.