Topo

CEO de ouro: Segurança de Zuckerberg custou US$ 22,6 mi ao Facebook em 2018

Viagens e momento turbulento do Facebook justificaram o gasto - Gabriel Sainhas/AFP
Viagens e momento turbulento do Facebook justificaram o gasto Imagem: Gabriel Sainhas/AFP

Rodrigo Trindade

Do UOL, em São Paulo*

12/04/2019 18h57

Resumo da notícia

  • Documento enviado à SEC revelou gastos multimilionários com a segurança de executivo
  • Gastos com segurança de Zuckerberg mais que dobraram em relação a 2017
  • Empresa ainda anunciou mudanças em seu conselho administrativo

O 2018 de Mark Zuckerberg não foi nada tranquilo, com muitas críticas após o escândalo Cambridge Analytica e um grande número de viagens para prestação de esclarecimentos a políticos e seus eleitores. O executivo-chefe do Facebook, então, gastou bastante com a segurança de si mesmo: US$ 22,6 milhões, segundo um comunicado publicado pela empresa nesta sexta-feira (12).

Dirigido a investidores, o documento indicou uma subida acentuada nestes gastos, que estiveram na casa dos US$ 9 milhões em 2017. Dos US$ 22,6 milhões, US$ 2,6 milhões foram referentes a viagens de jatinho, enquanto o resto foi reservado à segurança de Zuckerberg e seus familiares.

"Por causa da alta visibilidade de nossa empresa, nosso Comitê de Compensação e Governança autorizou um 'programa de segurança geral' para o Sr. Zuckerberg para cuidar de preocupações de segurança referentes a ameaças específicas à sua segurança que surgiram como um resultado de sua posição de fundador, executivo-chefe, presidente-executivo e acionista controlador da nossa empresa", diz o comunicado do Facebook à SEC (Comissão de Títulos e Câmbio, da sigla em inglês).

Os valores não correspondem ao salário de Zuckerberg, que ganha US$ 1 de forma simbólica anualmente, sem receber qualquer tipo de bônus. Os milhões em segurança são classificados como "outras compensações".

2018, o ano que a casa caiu para o Facebook

Relembre os escândalos
Em paralelo, a rede social também informou mudanças em seu conselho de administração. Reed Hastlings, executivo-chefe da Netflix, deixou sua cadeira e não será indicado para reeleição. Ele estava no conselho do Facebook desde 2011 e deixa o posto em um momento que a empresa acelera sua oferta de vídeos.

Entre os novatos no conselho, o Facebook anunciou a chegada de Peggy Alford, a terceira mulher a integrar o grupo. Vice-presidente sênior do PayPal, ela trabalhou anteriormente na Chan Zuckerberg Initiative, organização filantrópica de Mark Zuckerberg e sua mulher Priscilla Chan.

A indicação de Alford atende uma lei da Califórnia, que exigia que a empresa incluísse uma terceira mulher em seu conselho administrativo. Além disso, a chegada de Alford traz mais diversidade ao grupo, pois ela se torna a segunda integrante negra do grupo. Fora ela, o conselho conta com Kenneth Chenault, ex-executivo-chefe da American Express.

*Com informações da Reuters

Mais Facebook