Querida, encolhi: ele voltou mais baixo após viver 100 dias submerso

Joseph Dituri, um professor da Universidade do Sul da Flórida e oficial aposentado da Marinha norte-americana, passou 100 dias submerso em uma cápsula no Jules'Undersea Lodge, o único hotel submarino dos EUA.

Depois da experiência, ele relatou que encolheu quase dois centímetros —além de ter registrado outras mudanças em seu corpo.

6 meses para recuperar altura

Busca para interromper o envelhecimento. Em comunicado, a Universidade do Sul da Flórida disse que a hipótese que levou Dituri a embarcar neste projeto foi a de que o aumento da pressão teria o potencial de ajudar os seres humanos a viver mais e prevenir doenças relacionadas ao envelhecimento.

Entre as mudanças no seu corpo durante o período confinado, Dituri acabou encolhendo. Segundo reportagem exibida neste domingo (2) no Fantástico, foram quase dois centímetros de diferença — já recuperados.

Joseph Dituri passou 100 dias submerso em cápsula
Joseph Dituri passou 100 dias submerso em cápsula Imagem: Reprodução / Instagram

Dituri atribui a perda de altura à vida em compressão. Na cápsula subaquática, a pressão atmosférica é 70% mais elevada do que na superfície, segundo o The Guardian.

O pesquisador contou que levou quase seis meses para começar a recuperar sua altura. À reportagem da TV Globo, ele explicou melhor o ocorrido:

Por que isso? Os astronautas que vão para o espaço ficam mais altos com a gravidade zero. Como eu estava debaixo d'água, eu estava submetido a uma pressão duas vezes maior do que na superfície, e isso me fez diminuir.
Joseph Dituri ao Fantástico

Continua após a publicidade

Mais testes — e outras mudanças no corpo. Em entrevista ao Daily Mail em junho do ano passado, logo após a missão, Dituri afirmou que médicos realizaram testes em seu corpo para ver como ele mudou durante o período em que esteve submerso — de março a junho de 2023.

Dituri acredita que aumento da pressão teria o potencial de ajudar o homem a viver mais
Dituri acredita que aumento da pressão teria o potencial de ajudar o homem a viver mais Imagem: Frazier Nivens/Florida Keys News Bureau/via REUTERS

Foram notadas com a experiência: melhora no nível de colesterol do sangue; queda no cortisol, o hormônio do estresse; e melhora na qualidade do sono, segundo ele. "É isso o que o oxigênio hiperbárico faz", disse Dituri ao Fantástico. "Diminui os marcadores inflamatórios do organismo. Dormi muito bem. Além disso, eu tive um aumento de testosterona no corpo. O que foi ótimo", continuou. Os supostos benefícios ainda precisam ser estudados em mais pesquisas.

Deixe seu comentário

Só para assinantes