Topo

Superlua, conjunções e três chuvas de meteoros: olhe para o céu em julho

Imagem: Getty Images

Marcella Duarte

Colaboração para Tilt, em São Paulo

01/07/2022 09h36

Julho será mais um mês movimentado para quem gosta de olhar o céu. Superlua, três chuvas de meteoros e algumas conjunções de planetas serão verdadeiros espetáculos celestes.

O inverno trouxe noites mais longas e um clima frio e seco, com poucas nuvens, que contribuem para as observações. Confira os principais eventos visíveis a olho nu daqui do Brasil.

Lembrando que um site ou app de astronomia (como Skywalk, Starchart, Sky Saari ou Stellarium) são úteis para encontrar a posição dos objetos e prever os melhores horários de visibilidade em sua região.

13/7: Lua Cheia (Superlua dos Cervos)

É a segunda "superlua" do ano. Um conceito um tanto polêmico, visto que não é uma designação astronômica, mas sim um nome popular (que até a Nasa usa). Significa apenas uma Lua cheia que está um pouco mais perto da Terra, quando essa fase coincide com seu perigeu (o momento em que nosso satélite está mais próximo naquele mês, em sua órbita elíptica).

O oposto de uma superlua é uma microlua, mais afastada da Terra (apogeu) Imagem: Catalin Paduaru

Isso faz com que a Lua apareça até 15% maior e 30% mais brilhante. Mas não é algo tão perceptível ao olho humano, a não ser que você compare com fotografias dos meses anteriores. Ela será tão exuberante quanto qualquer Lua cheia. Se observada próxima ao horizonte, melhor ainda, pois uma ilusão faz com que ela apareça ainda maior — devido à perspectiva com referenciais terrestres, como prédios e árvores.

No dia 13, ela nascerá por volta das 17h30, junto com o pôr do Sol (quem tiver uma vista desobstruída, poderá acompanhar um fenômeno em cada lado do céu).

Ficará visível durante toda a noite, mas a primeira hora após o nascimento é o melhor momento para observar, pois a Lua pode mostrar belas variações de tonalidade, amarelada, alaranjada ou até mesmo avermelhada, devido à interação com a atmosfera.

Superlua de Morango, em junho, sobre o Templo de Posseidon, na Grécia Imagem: Alkis Konstantinidis/Reuters

O dia seguinte também é uma ótima oportunidade de observação, com nosso satélite ainda com 100% de iluminação.

E de onde vem o nome "Superlua dos Cervos"? Era o apelido que os povos nativos norte-americanos davam para a Lua cheia de julho, verão no hemisfério Norte, época em que a galhada destes animais se regenera (os chifres caem no inverno).

15/7: Conjunção entre Lua e Saturno

A bela Lua, ainda bem cheia (90% de iluminação), ganhará a companhia do planeta dos anéis. A partir das 21h, Saturno aparecerá acima e à esquerda dela, como uma estrela dourada de brilho fixo.

Com telescópios, binóculos, ou mesmo uma câmera com teleobjetiva (lente zoom), é possível ver mais detalhes dos corpos, como as crateras da Lua e os anéis de Saturno.

Imagem: Cedric Allier/Flickr

Entre 18 e 19/7: Conjunção entre Lua e Júpiter

O segundo planeta mais brilhante (depois de Vênus) vai fazer ainda mais bonito: dar um "beijo" no nosso satélite. A partir da meia-noite de 18 para 19, será possível ver Júpiter bem coladinho, acima e à esquerda da Lua.

Ressaltando que, quando falamos em conjunções, nos referimos do ponto de vista da Terra. No espaço, os corpos estão separados por milhões de quilômetros.

Entre 20 e 21/7: Conjunção entre Marte e Lua

Para completar os encontros celestes, a Lua minguante poderá ser vista próxima do planeta vermelho. A partir das 2h da madrugada do dia 21, o vizinho Marte estará logo abaixo de nosso satélite, como uma estrela avermelhada. Eles são, de fato, os dois corpos mais próximos do Sistema Solar.

Entre 28 e 29/7: Pico da chuva de meteoros Piscis Austrinids

A primeira de um trio de chuvas de meteoros de julho. Ativa entre 15 de julho e 10 de agosto, seu pico acontece na madrugada entre os dias 28 e 29. O radiante (ponto onde os meteoros aparentam convergir) é a constelação do Peixe Austral — não confundir com Peixes. O melhor horário para observação é entre 2h e 4h da madrugada, quando estará mais alta no céu.

Só não espere muito; é uma chuva fraca, com cerca de cinco "estrelas cadentes" por hora. O corpo que a originou é desconhecido. Pode ser um antigo cometa que já se desintegrou.

Use um app de observação astronômica para encontrar a constelação. Mas não é preciso fixar o olhar neste ponto: os meteoros irradiam de toda área ao redor.

30/7: Pico das chuvas de meteoro Delta Aquáridas do Sul e Capricórnidas

É a noite mais aguardada do mês. Com o pico de duas chuvas coincidindo, e mais alguns resquícios da Piscis Austrinids, previsões otimistas dizem ser possível ver até 30 meteoros por hora. No ano passado, elas deram um show nos céus brasileiros.

Chuva de meteoros e a Via Láctea, na Austrália Imagem: Jalyn Photographics

A Delta Aquáridas do Sul é a mais intensa e, como o nome diz, nós observadores do hemisfério Sul somos privilegiados. Ativa ente 12 de julho e 23 de agosto, tem o radiante na constelação de Aquário. Apesar de gerar meteoros menos brilhantes, a grande densidade é sua maior característica, enchendo o céu de "riscos".

Já a Alfa Capricórnidas tem o radiante na constelação de Capricórnio e acontece entre 3 de julho e 15 de agosto. Apesar de mais fraca, com cerca de cinco meteoros por hora, ela tem um diferencial: costuma aparecer como bolas de fogo brilhantes ou explosivas (bólidos), deixando clarões no céu, em vez dos tradicionais rastros.

Ambas as constelações ficam próximas no céu, então fica mais fácil observá-las; o melhor horário é entre meia-noite e 4h. A Lua "apagada", na fase nova, favorece nossa visão. As duas noites seguintes também são boas oportunidades, com as chuvas ainda com intensa atividade.

Não é preciso qualquer equipamento especial: todos os meteoros podem ser vistos a olho nu, de qualquer lugar do país. Basta um céu limpo. Tente buscar o local mais escuro possível após a meia-noite. Os meteoros irradiarão da constelação de Aquário, mas podem aparecer em qualquer lugar do céu.

A Delta Aquáridas vem de resquícios do cometa 96P/Machholz ou P/2008 Y12 (SOHO); a Alfa Capricórnidas, do 169P/NEAT. Elas acontecem todos os anos, quando a Terra, em seu movimento de translação em torno do Sol, cruza a órbita de cada cometa, por onde flutua uma trilha de destritos. Neste período, por cerca de um mês, algumas dessas partículas atingem nossa atmosfera, causando uma chuva de meteoros. O pico ocorre quando atravessamos a área mais central e densa do rastro do cometa.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Superlua, conjunções e três chuvas de meteoros: olhe para o céu em julho - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL


Astronomia