Topo

Veja os últimos momentos de um cometa até morrer tostado pelo Sol

Primeiro registro de um cometa periódico sendo despedaçado ao se aproximar do Sol Imagem: Subaru Telescope/CFHT/Man-To Hui/David Tholen

Marcella Duarte

Colaboração para Tilt, em São Paulo

16/06/2022 13h56

Uma equipe internacional de astrônomos registrou imagens inéditas da morte de um cometa, que foi destruído ao passar perto do Sol. As altíssimas temperaturas despedaçaram e carbonizaram a rocha espacial.

É a primeira vez que um cometa periódico em órbita próxima ao Sol foi visto se desintegrando assim — e isso pode explicar por que não há muitos corpos deste tipo no Sistema Solar. O objeto em questão era o 323P/SOHO.

Registro do Telescópio Subaru Telescope, em 21/12/2020 (ponto no centro da imagem da esquerda) e do CFHT, em 11/2/2021 (direita); o 323P/SOHO desenvolveu uma longa cauda antes de se desintegrar Imagem: Subaru Telescope/CFHT/Man-To Hui/David Tholen

Para registrar as imagens, os cientistas usaram uma frota de telescópios, em solo e no espaço, incluindo o Hubble. As descobertas foram divulgadas esta semana, em um estudo publicado na revista Astronomical Journal.

Cometas próximos ao Sol

O Sistema Solar é um lugar hostil. Há diversas rochas espaciais que orbitam o Sol — mas não é um processo tão ordenado quanto o dos planetas. Efeitos gravitacionais dos corpos maiores desestabilizam o trajeto dos menores e mais errantes.

Um destino comum é ser empurrado para uma órbita próxima ao Sol — que eventualmente resultará em um mergulho flamejante. Como este tipo de objeto passa tão perto da nossa estrela, são difíceis de visualizar e estudar; a maioria foi detectada acidentalmente, em observações de telescópios solares.

Mas, mesmo considerando esta dificuldade, há muito menos cometas e asteroides próximos ao Sol do que o esperado. Algo está destruindo eles, antes que tenham a chance de fazer seu mergulho final e fatal.

Como foi registrado?

Para melhor entender este processo, um grupo de astrônomos dos Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Taiwan e Macau (China) observaram o 323P/SOHO por alguns meses, com diversos telescópios, entre eles: Canada France Hawaii (CFHT, no Havaí), Gemini North (EUA), Lowell's Discovery (EUA), Subaru (Japão), e o Espacial Hubble.

A órbita do cometa não era muito definida, então os pesquisadores não sabiam exatamente onde procurá-lo. Mas o amplo campo de visão do Subaru funcionou como uma rede, permitindo que ele fosse encontrado quando se aproximava do Sol. Foi a primeira vez que este objeto foi capturado por um telescópio terrestre.

Com os novos dados, os astrônomos conseguiram restringir melhor a trajetória, e sabiam para onde apontar os outros telescópios. E ficaram esperando o cometa "dar a volta" e começar a se afastar do Sol novamente — o que nunca aconteceu. Assim, registraram o momento único de sua morte.

Mas o trabalho criou mais dúvidas do que respostas. Entre outras, descobriram que o 323P/SOHO gira em seu eixo muito rapidamente, levando cerca de meia hora por revolução, e que sua cor é diferente de qualquer outra coisa no Sistema Solar.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Veja os últimos momentos de um cometa até morrer tostado pelo Sol - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL


Astronomia