PUBLICIDADE
Topo

Xiaomi 12 x Realme GT2 Pro: na briga dos top chineses, quem leva a melhor?

Xiaomi 12 (esq.) e Realme GT2 Pro (dir.) -
Xiaomi 12 (esq.) e Realme GT2 Pro (dir.)

Rodrigo Lara

Colaboração para Tilt, em São Paulo

08/06/2022 11h54

O Xiaomi 12, topo de linha da fabricante chinesa, chegou com pompa ao Brasil há algumas semanas, trazendo de bagagem uma configuração poderosa em vários quesitos, como processamento e câmeras. Mas um ponto ofuscou a estreia do celular capaz de encarar Samsung Galaxy S22 e iPhone 13: o preço astronômico de R$ 9.499,99.

Não bastasse esse belo asterisco em seu currículo, o aparelho agora recebe a concorrência de um conterrâneo. No último dia 18, a Realme lançou por aqui o GT2 Pro. É um modelo criado para concorrer no topo e que, assim como o Xiaomi, traz especificações que não deixam nada a desejar em relação à concorrência. O preço? Bem mais convidativo: R$ 5.999.

Abaixo, comparamos a ficha técnica dos dois aparelhos para ajudarmos a tirar a dúvida: será que vale a pena economizar uma bela grana ou o Realme é um "barato que sai caro"?

Xiaomi 12

  • Altura: 152 mm
  • Largura: 69,9 mm
  • Espessura: 8,2 mm
  • Peso: 179 g

Realme GT2 Pro

  • Altura: 163,2 mm
  • Largura: 74,7 mm
  • Espessura: 8,2 mm
  • Peso: 189 g

O Realme é maior em altura e largura e isso significa que pessoas com mãos pequenas tendem a se sentir mais confortáveis utilizando o Xiaomi - que, convenhamos, já passa longe de ser um smartphone pequeno.

Além das dimensões diferentes, os aparelhos adotam abordagens distintas em acabamento. No Xiaomi, a traseira é revestida de vidro, enquanto o Realme usa um biopolímero texturizado feito de materiais reciclados. As duas soluções são agradáveis aos olhos, mas o Realme se destaca justamente por ser diferente.

O Xiaomi ganha em opções de cores. No Brasil, pode ser encontrado em cinza e azul, enquanto a Realme só vende o GT2 Pro na cor branca.

De qualquer maneira, esse é um quesito no qual os dois aparelhos são bem equivalentes.

VEREDITO: empate.

Xiaomi 12

  • Tipo: Amoled 6,28 polegadas (15,95 cm)
  • Resolução: Full HD+ de 1080 x 2400 pixels
  • Taxa de atualização: 120 Hz

Realme GT2 Pro

  • Tipo: LTPO2 Amoled de 6,7 polegadas (17,01 cm)
  • Resolução: Quad HD+ de 1440 x 3216 pixels
  • Taxa de atualização: 120 Hz

Mais do que tamanho (critério no qual o Realme supera o Xiaomi), aqui há diferenças consideráveis na abordagem das duas fabricantes.

O display do Xiaomi tem resolução e taxa de atualização excelentes, em linha com os concorrentes da categoria.

A questão é que, diante da tela do Realme, ele acaba ficando um pouco ofuscado. No GT2 Pro, a resolução é consideravelmente superior. A taxa de atualização é igual, mas na hora de assistir a vídeos e jogar, o Realme tende a oferecer uma experiência de melhor qualidade.

A tela ainda apresenta uma pequena diferença entre os dois aparelhos: enquanto lente da câmera de selfie do Xiaomi é centralizada, no Realme ela fica no canto superior esquerdo.

VEREDITO: vitória do Realme GT2 Pro.

Xiaomi 12

  • Capacidade: 4.500 mAh

Realme GT2 Pro

  • Capacidade: 5.000 mAh

Os 500 mAh a mais que dão vantagem à Realme não são uma diferença assustadora. Mas quando o assunto é evitar ficar sem carga, qualquer reserva adicional conta.

Os dois aparelhos, porém, merecem outro elogio. Ao contrário de modelos concorrentes da Samsung e da Apple, eles trazem um carregador na caixa. E são potentes: o da Xiaomi é um de 67 W que, segundo a marca, leva 39 minutos para preencher completamente a bateria. Já o da Realme é levemente menos potente, de 65 W, mas capaz fazer a bateria ir de 20% a 100% em 30 minutos.

VEREDITO: vitória do Realme GT2 Pro.

Xiaomi 12

  • Traseira: grande angular de 50 MP, ultra-angular de 13 MP e teleobjetiva macro de 5 MP
  • Frontal: grande angular de 32 MP

Realme GT2 Pro

  • Traseira: grande angular de 50 MP, ultra-angular de 50 MP e microscópio de 3 MP
  • Frontal: grande angular de 32 MP

Principal

Na mera contagens de megapixels, a câmera traseira do Realme supera a do concorrente. Mas é preciso colocar esses dados sob outra perspectiva.

Pelas especificações, é possível dizer que o conjunto do Xiaomi tende a se sair um pouco melhor em fotos de longa distância, já que conta com uma teleobjetiva, em vez de apenas uma grande angular e ultra-angular (como ocorre no GT2 Pro).

Mas e se você quiser fotografar algo bem próximo? Aí o jogo vira: o Realme tem uma câmera de microscópio que fará um serviço melhor do que a teleobjetiva macro do rival.

Nenhuma dessas configurações é ruim. A vantagem mais perceptível está na capacidade da ultra-angular do Realme, que tem um ângulo de captação de 150º, contra 123º do Xiaomi. Mas não é um diferencial tão expressivo a ponto de definir um vencedor no quesito.

VEREDITO: empate.

Selfie

Os dois aparelhos empatam em megapixels, com leve vantagem para o Realme pela abertura maior do obturador. Então, se você for tirar uma selfie em ambiente com menos luz, ele se sairia um pouco melhor. A diferença, porém, não é grande o suficiente para apontarmos um vencedor nisso.

VEREDITO: empate.

Xiaomi 12

  • Processador: Qualcomm SM8450 Snapdragon 8 Gen 1 (octa-core, 3 GHz)
  • Memória RAM: 8 GB
  • Armazenamento: 256 GB

Realme GT2 Pro

  • Processador: Qualcomm SM8450 Snapdragon 8 Gen 1 (octa-core, 3 GHz)
  • Memória RAM: 12 GB
  • Armazenamento: 256 GB

Os dois aparelhos têm potência de sobra para rodar qualquer aplicativo ou game disponível. Ambos usam a geração mais atual de processadores da Qualcomm que, além de rápidos, também se destacam no consumo de energia e controle da geração de calor.

O Realme, porém, tem uma vantagem. Seus 4 GB a mais de memória RAM o deixam em pé de igualdade com o Samsung Galaxy S22 Ultra, considerado o melhor Android disponível do mercado. E isso não é pouco.

No armazenamento, um empate: ambos têm 256 GB sem a possibilidade de expansão por meio de cartão microSD.

VEREDITO: vitória do Realme GT2 Pro.

Xiaomi 12 e Realme GT2 Pro não trazem recursos revolucionários: eles se resumem a serem aparelhos muito potentes, porém sem inovações.

O que eles têm (e que não é necessariamente novidade) é um recurso de criar uma pasta secreta protegida com senha, algo útil para adicionar uma camada a mais de segurança para apps sensíveis, como os de banco.

VEREDITO: empate.

Xiaomi 12: R$ 9.499,99
Realme GT2 Pro: R$ 5.999

Antes de falarmos de preço, propriamente, convém recapitular. Até aqui, os poucos quesitos que não terminaram em um empate (design, câmera e recursos extras) foram vencidos pelo Realme GT2 Pro. E olha que o rival é bastante poderoso e de uma marca de qualidade já reconhecida.

Ainda assim, não foram vitórias acachapantes, e sim por pequenas margens. São aparelhos, de forma geral, equivalentes. E isso faz com que a diferença de R$ 3.500 seja ainda mais assustadora.

Não que o Realme GT2 Pro seja um aparelho barato (ele custa um pouco mais do que um Galaxy S22, por exemplo), mas sim que o Xiaomi 12 está muito caro. Ele, inclusive, supera com folga o preço cobrado por um iPhone 13, tradicional campeão brasileiro em valor de mercado.

Neste contexto, fica impossível não apontar o Realme GT2 Pro como vencedor em custo-benefício. Suas especificações igualam e até superam as do concorrente. E o melhor: você leva tudo isso pra casa pagando bem menos.

RESULTADO FINAL: vitória do Realme GT2 Pro.