PUBLICIDADE
Topo

MIT cria robô que consegue vestir humanos; veja o vídeo

Cientistas do MIT criam robô e algoritmo para vestir seres humanos - Reprodução/MIT CSAIL
Cientistas do MIT criam robô e algoritmo para vestir seres humanos Imagem: Reprodução/MIT CSAIL

Colaboração para Tilt, de São Paulo

07/04/2022 11h52

Se você acorda de manhã aos trancos e barrancos e mal consegue se vestir direito para o trabalho, sua solução pode ser... um robô! Cinco pesquisadores do MIT anunciaram que já criaram um protótipo capaz de vestir um humano com ûm colete. O próximo passo é bolar uma nova máquina, mais sofisticada, que vista peças complexas, como calças e camisas de botão.

A inovação pode ajudar no cuidado de pessoas de idade avançada, com mobilidade reduzida ou pacientes pós-cirurgia, por exemplo. Confira o vídeo:

Em entrevista ao MIT News, os cientistas afirmam que a maior dificuldade até agora foi fazer o robô perceber todos os ângulos de um braço inteiro, como punho, cotovelo e ombro. Eles tiveram de desenvolver um algoritmo que estima a posição do cotovelo e, assim, controla a força que o robô aplica ao vestir a vestimenta no humano.

Para criar esse algoritmo, eles fizeram várias pessoas vestirem roupas chamadas de "Xsens", com sensores embutidos que registravam o movimento de quem as estava usando. A partir desses movimentos reais, as informações foram passadas ao robô.

Com esse código pronto, a próxima fase da pesquisa é fazer com que a máquina se adapte em tempo real aos movimentos feitos pelos humanos, para que suas ações não sejam baseadas apenas em estimativas, como tem sido até agora.

Para o pesquisador Shen Li, esse avanço indica que o robô poderá ser usado para outras funções além de vestir pessoas.

"Nós não especializamos nosso algoritmo apenas para colocar a roupa em alguém. Ele resolve problemas gerais de estimativa", disse Li. Com essa percepção correta de ângulos e posicionamentos, a máquina pode, por exemplo, trabalhar em conjunto com o humano para montar uma mesa de jantar ou movimentar objetos.

Os detalhes do estudo serão publicados na edição de abril da IEEE Robotics, uma das revistas mais tradicionais do setor de engenharia e robótica.