PUBLICIDADE
Topo

Galaxy S9 não terá mais atualização do Android e correção segurança

Os modelos Galaxy S9 (foto) e S9+ foram lançados em 2018 pela Samsung - Divulgação
Os modelos Galaxy S9 (foto) e S9+ foram lançados em 2018 pela Samsung Imagem: Divulgação

Núbia da Cruz

Colaboração para Tilt*, em São Paulo

05/04/2022 17h13Atualizada em 05/04/2022 17h24

Lançado em 2018, os celulares Galaxy S9 e Galaxy S9+ deixarão de receber atualizações de sistema. Isso representa oficialmente a aposentadoria dos smartphones, já que eles não terão mais correções de segurança e a compatibilidade com aplicativos mais novos ficará prejudicada.

Segundo informações do Android Police, a última atualização de sistema operacional nos smartphones ocorreu em março de 2020, com o Android 10 (de 2019). O site DroidLife destaca que a empresa sul-coreana retirou os telefones de sua lista de updates de segurança. O último envio de correção ocorreu em março de 2022.

Esse tipo mudança é comum no mundo dos celulares. A cada ciclo as fabricantes de smartphones aposentam as linhas mais antigas para ter o foco nas mais novas. Tradicionalmente, a Samsung garantia atualizações em até quatro anos em seus telefones mais avançados.

Durante o lançamento do Galaxy S22, a empresa se comprometeu a ampliar esse prazo:

  • Agora, são cinco anos para o envio de correções de segurança.
  • E até quatro gerações de atualizações do Android para smartphones intermediários e premium (os mais avançados).

O que o S9 trouxe de novidade

O lançamento do S9 e do S9+ foi bem recebido na época, porém não fez o sucesso esperado como seu antecessor S8. O primeiro chegou no Brasil custando R$ 4.299. O S9+ por R$ 4.899.

Na época, a impressão foi de que a Samsung preferiu seguir a linha do "não se mexe em time que está ganhando". Eles trouxeram poucas novidades em relação aos modelos anteriores.

Contudo, a linha chamou a atenção por ter recursos de inteligência artificial nas câmeras. Elas reconheciam objetos e indicavam o conteúdo relacionado a ele.

Além disso, os aparelhos conseguiam capturar fotos melhores em ambientes muito iluminados ou locais mais escuros. O resultado era um desempenho 30% melhor com baixa luminosidade do que a geração anterior.

Dois outros recursos da época eram: emojis 3D e gravação de vídeos em câmera lenta em 960 fps.

Os principais concorrentes eram o iPhone 8 e o iPhone X, que marcou o 10º aniversário da linha de celular da Apple.

*Com informações do DroidLife, Samsung e 9to5google.