PUBLICIDADE
Topo

Telescópio James Webb chega ao ponto L2, seu destino na órbita do Sol

Imagens do lançamento do telescópio James Webb

Juliana Stern

Colaboração para Tilt, de São Paulo

24/01/2022 15h33

Quase um mês após o lançamento, o Telescópio Espacial James Webb finalmente chegou, hoje (24), ao ponto Lagrange 2 (ou L2), seu destino no espaço profundo. De acordo com a Nasa, os propulsores do telescópio foram acionados na tarde desta segunda, quando o gigante foi colocado em órbita ao redor do Sol.

O acionamento das turbinas foi uma manobra de correção de direcionamento, ativada por engenheiros espaciais na Space Telescope Science Institute em Baltimore, Estados Unidos. A confirmação do sucesso da missão, segundo a Reuters, veio após sinais de rádio confirmarem o novo posicionamento do telescópio.

Lançado em 25 de dezembro, o James Webb estava destinado para o ponto estratégico L2, que fica a cerca de 1,5 milhão de quilômetros da Terra. Essa distância é quatro vezes maior que a entre nosso planeta e a Lua. Nesta localização, as forças gravitacionais da Terra e do Sol se anulam, fazendo com que o objeto permaneça ali sem muito esforço e usando um mínimo de combustível.

Uma vez no seu novo lar, a milhões de quilômetros da Terra, o Webb irá executar procedimentos de testes e de calibração de instrumentos antes de começar a operar. O início do trabalho está previsto apenas para junho de 2022, data que deve marcar também a entrega das primeiras imagens feitas pelo telescópio.

A Nasa não transmitiu a chegada do James Webb em sua nova casa no espaço. No entanto, a agência planeja vários eventos de acompanhamento ao vivo depois que a parte crucial da missão for realizada.

A partir das 17h (horário de Brasília), a agência fez uma live com cientistas e engenheiros que trabalham no projeto Webb, cuja transmissão foi realizada pelo NASA Science Live e também em seus perfis no Youtube, Facebook e Twitter.

Durante a live, os espectadores puderam enviar perguntas por meio da hashtag #UnfoldtheUniverse, ou deixando comentários no Facebook ou no YouTube.

Amber Straughn, cientista suplente em comunicações do projeto Webb no Goddard Space Flight Center, da Nasa, e Scarlin Hernandez, engenheira de sistemas de voo do Space Telescope Science Institute, falaram sobre a viagem do telescópio e responderam às perguntas dos internautas.

Após a transmissão ao vivo, o site da agência aeroespacial transmitiu uma conferência de imprensa.

A missão

O telescópio James Webb tem como missão entender melhor os primeiros estágios da formação do nosso Universo, observar e descobrir exoplanetas distantes e tentar responder a perguntas como: com que rapidez o Universo está se expandindo?

Com investimento de US $10 bilhões, o telescópio é um sucessor e um "colega de trabalho" do Hubble, lançado em 1990. Ambos foram criados para ver o espaço profundo — ou seja, objetos astronômicos muito distantes da Terra. Mas, enquanto o Hubble registra luz ultravioleta e elementos visuais do espectro eletromagnético, o novato poderá enxergar o cosmos no espectro infravermelho — invisível ao olho nu.

O James Webb poderá captar imagens além das nebulosas — nuvens de gás e poeira —, que são o forte do seu antecessor, e poderá mostrar onde as estrelas estão nascendo. Logo, ele complementa informações já existentes.

Fora isso, o Hubble é capaz de olhar para 400 milhões de anos após o Big Bang, enquanto o James Webb permitirá observar as primeiras galáxias, formadas cerca de 100 milhões de anos após o fenômeno. Com isso, os cientistas poderão entender melhor as condições da origem do Universo.

Os pesquisadores também pretendem utilizar o telescópio para estudar buracos negros supermassivos que parecem ocupar o centro de galáxias distantes.

Última etapa

Com a chegada do James Webb no ponto L2, a missão chega na última etapa da viagem. Durante os 30 dias em que o telescópio seguiu para seu ponto de órbita, ele completou seus respectivos estágios de montagem sem maiores problemas.

No início de janeiro, o telescópio passou pela fase mais difícil ao abrir completamente seu escudo térmico, um guarda-sol de cinco camadas de 20 por 14 metros — o tamanho de uma quadra de tênis.

O equipamento é necessário para observar o cosmos e fundamental para proteger os instrumentos científicos do calor do Sol e da radiação emitida pela Terra e pela Lua. Logo depois, o Webb atingiu sua configuração definitiva ao terminar de "desdobrar" seus espelhos duas semanas após o lançamento.