PUBLICIDADE
Topo

SpaceX quer pegar espaçonaves no ar com "hashis gigantes", entenda

Juliana Stern

Colaboração para Tilt

12/01/2022 09h07

A empresa de exploração espacial SpaceX realizou mais um teste em sua torre de lançamento que deu uma palhinha de como braços mecânicos gigantes irão guiar e recolher a espaçonave Starship em próximas missões.

Os Mechazilla's Chopsticks ("hashis" do mechazilla, em tradução livre), como estão sendo chamados os "braços" da torre, são uma alusão aos talheres de madeira orientais utilizados na culinária japonesa, e entraram em testes na tarde do último domingo (9). Sua presença já foi notada quando a quando a SpaceX levantou, abriu e balançou as estruturas, do tamanho de edifícios, pela primeira vez.

Na demonstração de domingo, porém, ao invés de testes básicos de atuação e coordenação, o procedimento continuou a levantar os braços mecânicos até atingirem a altura necessária para empilhar uma espaçonave Starship em cima de um propulsor super-pesado, o que equivale a mais de 120 metros. Segundo o site "Teslarati", essa foi a primeira vez que as estruturas foram testadas nessa altura, indicando uma simulação mais próxima do objetivo principal dos braços.

Esses "hashis" de metal, acoplados à plataforma de lançamento da SpaceX, são estruturas gigantescas projetadas para guiar a nave espacial e o seu propulsor, além de dezenas de motores de foguete e escudos térmicos hexagonais, durante os lançamentos - e pegá-los ao retornar à superfície.

No final da noite de domingo, o CEO da SpaceX, Elon Musk, compartilhou um vídeo feito por drones em sua página no Twitter mostrando toda a estrutura.

Em outro registro, um timelapse compartilhado pelo repórter da NASASpaceflight, Michael Baylor, os braços mecânicos ganham vida, sendo baixados através do que parece ser um sistema de polias.

Inovação para a exploração espacial

Os desenvolvimentos desses braços mecânicos colossais podem mudar a maneira como lançamentos espaciais são realizados. E não só os da SpaceX, mas também o de outros agentes futuros do turismo espacial.

De acordo com o Teslarati, guindastes de esteira ou grandes torres acopladas à principal, normalmente utilizados nos lançamentos, conseguiriam empilhar a espaçonave, propulsores e demais componentes. Mas, os guindastes — especialmente os grandes e altos — são extremamente sensíveis ao vento. Isto os torna muito inseguros para operar em condições além de brisas leves.

Considerando que o clima na Costa do Golfo, no Texas, conta com correntes de ar constantes vindos do oceano, não seria viável realizar operações rotineiras e confiáveis na plataforma. Com os Chopsticks, a SpaceX consegue evitar que as operações de lançamento e recuperação de espaçonaves sejam atrasadas por condições climáticas.

Próximos passos

Com o teste de domingo, a SpaceX deu um sinal de que, talvez, o primeiro voo de teste orbital da Starship esteja próximo.

Em novembro, Musk informou que o foguete Starship, escolhido pela Nasa para ser o responsável pelo retorno de americanos à Lua, faria seu primeiro voo orbital no início de 2022. O voo orbital colocará a espaçonave em órbita por um breve período de tempo antes de reentrar na atmosfera da Terra, pousando no Oceano Pacífico.

Se a SpaceX for capaz de recuperar e reutilizar a nave durante o procedimento, as missões operacionais podem começar logo em 2023. Segundo previsões mais recentes, o voo inaugural deve ocorrer até março.