PUBLICIDADE
Topo

Air Fryer para secar roupas? Um bom meme, mas uma péssima ideia na prática

Fritadeira elétrica do tipo AirFryer - Getty Images
Fritadeira elétrica do tipo AirFryer Imagem: Getty Images

Aurélio Araújo

Colaboração para Tilt, em São Paulo

15/12/2021 11h57

Nos últimos dias, viralizou nas redes sociais uma pergunta feita por um frequentador do grupo "Receitas Air Fryer" no Facebook. Como o nome indica, a comunidade ali reunida troca dicas sobre o que fazer nas fritadeiras elétricas, que não usam óleo. A pergunta, no entanto, não tinha nada a ver com comida era: "alguém já secou roupa molhada na Air Fryer? Dá certo?"

À primeira vista, a pergunta pode parecer ter alguma lógica As fritadeiras elétricas aquecem bastante o ar contido nelas, fritando os alimentos por convecção, ou seja, movimentando esse ar quente. De certa forma, podemos dizer que a Air Fryer não é nada além de um forno elétrico compacto, que não frita a comida, mas sim a assa.

As secadoras de roupa elétricas também mantêm roupas em contato com o ar quente, o que, em tese, encaixaria com a tese de que uma Air Fryer serviria para secar tecidos. Mas a comparação acaba por aí e, na verdade, pensar em usar sua fritadeira elétrica para isso é um absurdo.

É o que alerta a tecnóloga têxtil Maela Queiroz, especializada em diferentes matérias-primas para confecção de tecidos e proprietária do laboratório de análises têxtil Denier. Ela explica que, ao tentar secar uma roupa na Air Fryer, você está correndo dois riscos: estragar a peça e causar um incêndio.

"Hoje, a maior parte das roupas usa fibras sintéticas, que têm um ponto de fusão [onde recebe calor] baixo", diz Queiroz. "Então, ao usar uma Air Fryer, que pode chegar a até 200°C de temperatura, você vai acabar derretendo sua peça de roupa."

Há tecidos como o elastano, mais popularmente conhecido como lycra, cujas fibras se rompem e deixam a roupa com uma aparência quebradiça, quando expostas a alta temperatura. Já um tecido natural, como o algodão, pode queimar.

Mesmo para usar secadora de roupas, que funcionam em temperaturas bem mais baixas (em média 60°C para roupas normais e 45° C para roupas delicadas), ela recomenda que se leia com atenção as etiquetas de cada peça para saber se o equipamento é apropriado para o tecido ou não.

Já o ferro de passar, embora possa chegar a 120° C, nos dá o controle da temperatura, justamente para que nós lidemos com os diferentes tipos de tecido.

No vestuário, uma única peça pode ter variação de fibras, diz a entrevistada, e isso pode fazer com que, ao usar uma Air Fryer para secá-la, você acabe deixando a roupa torta, com uma fibra menor do que a outra.

Risco de incêndio

Ao usar a fritadeira elétrica para a secagem, você também está assumindo um risco de queimar a sua roupa e, em última instância, causar um incêndio, ressalta Queiroz.

"Pense no ferro de passar. Quando ele queima uma roupa, você está vendo ele queimar. Mas a Air Fryer é um equipamento fechado, você só vai perceber que está queimando quando for tarde demais, é um perigo", afirma.

Ela diz que a fritadeira simplesmente não foi desenvolvida para isso, e o fato de ter seu interior de metal faz com que ela conduza muito calor. Além disso, não há distribuição uniforme de calor dentro da Air Fryer, o que só prejudica a secagem da roupa.

"É melhor você ficar sem cueca para usar do que utilizar uma Air Fryer", diz Queiroz, aos risos.

Outros eletrodomésticos

Embora existam máquinas desenvolvidas apenas para secagem de roupas, ainda assim, há quem prefira buscar meios "alternativos", principalmente em emergências.

No entanto, nem pense em usar a parte traseira da sua geladeira para secar roupas úmidas: além do risco de levar um choque, você vai ter uma conta de luz bem mais alta do que espera.

Existem, porém, alguns métodos usando eletrodomésticos, como secador de cabelos e freezer, que funcionam para emergências —mas todos oferecem riscos e exigem alguns cuidados que, na prática, não valem muito a pena. Na dúvida, fique com o bom e velho varal.