PUBLICIDADE
Topo

Xiaomi 12: novo celular marca fim da linha Mi e chegada da versão acessível

Logotipo da Xiaomi exibido em um smartphone: o "Mi" deve deixar de fazer parte do nome dos celulares da empresa - Mateusz Slodkowski / SOPA Images / LightRocket via Getty Images
Logotipo da Xiaomi exibido em um smartphone: o "Mi" deve deixar de fazer parte do nome dos celulares da empresa Imagem: Mateusz Slodkowski / SOPA Images / LightRocket via Getty Images

Juliana Stern

Colaboração para Tilt, em São Bernardo do Campo (SP)

25/11/2021 11h31Atualizada em 03/12/2021 11h57

Nas últimas semanas, rumores sobre a próxima geração da linha carro-chefe da Xiaomi ganharam força. Entre eles, circularam informações a existência do Xiaomi 12X, uma opção mais simples e acessível do celular Xiaomi 12, que também ainda nem foi lançado. A data de apresentação dos dois ainda não foi oficializada, mas as expectativas é que ocorra agora em dezembro — talvez, no dia 12.

A chegada dos celulares da linha 12 é mais um passo para a empresa fortalecer sua nova posição em relação à família mais avançada de smartphones: deixar de lado a marca tradicional "Mi" e adotar somente "Xiaomi" e um número como nome oficial (explicaremos mais a seguir).

O que se sabe sobre os futuros lançamentos

Diferentemente do Xiaomi 12, que deve carregar o novo processador da empresa Qualcomm, o Snapdragon 898 (que ainda não foi lançado, mas deve ocorrer em breve), o Xiaomi 12X pode funcionar com o processador Qualcomm Snapdragon 870 (o mesmo presente no Moto G100) e tela menor, segundo informações do internauta Kacper Skrzypek, que costuma vazar informações antecipadas na internet (e acertar algumas).

Isso ajuda a explicar um dos motivos que podem fazer o modelo Xiaomi 12X ser um pouco mais barato, já que usará um chip que já foi lançado há um tempo. A expectativa também é de que o celular chegue às lojas como sucessor do Mi 11X, anunciado no fim de abril de 2021. A Xiaomi, porém, ainda não confirmou a veracidade do vazamento.

Skrzypek compartilhou que o dispositivo apareceu online com o número do modelo 2112123AG, junto com o codinome "psyche". Em termos de especificações, o Xiaomi 12X pode ter mais bateria do que o Mi 11X, podendo chegar aos 5.000 mAh.

O dispositivo também deve ser vendido nas versões: com 8 GB ou 12 GB de RAM (que ajuda no desempenho) e com 128 GB ou 256 GB de armazenamento interno.

Se os rumores se confirmarem, a tela do celular terá tecnologia Amoled será a menor entre os celulares da marca. Segundo Skrzypex, as dimensões do display serão 145.4 mm de altura e 65.4 mm de largura, o que daria 6,28 polegadas. Na comparação, seu antecessor tem uma tela de 6,67 polegadas.

Com estas dimensões, o novo modelo da Xiaomi também será mais estreito que o iPhone 7, por exemplo. O display ainda pode ter uma taxa de atualização de 120 Hz (que dá maior fluidez para a transição de animações), e poderá transmitir imagens em resoluções Full HD + e HDR10.

No departamento de câmeras, o dispositivo deve apresentar um sensor principal com 50 MP, que é uma pequena atualização da ótica de 48 MP do Mi 11X.

Pelos rumores, a produção em massa do Xiaomi 12 deve começar basicamente junto do anúncio do Snapdragon 898, garantindo lugar de destaque para a Xiaomi, que anunciará sua próxima geração antes até dos principais lançamentos com o novo processador, que devem acontecer no primeiro trimestre de 2022.

Ainda não é certeza, mas a empresa poderia aproveitar para anunciar os seus novos celulares durante a feira de tecnologia CES (Consumer Electronics Show), que acontece em Las Vegas (EUA) agora em janeiro, ou na MWC (Mobile World Congress), que será realizada em Barcelona, em 28 de fevereiro.

De Mi para Xiaomi: a mudança de nome

A marca "Mi", que acompanha a família de celulares avançados da Xiaomi deste 2011, não fará mais parte de futuros celulares da Xiaomi. Em agosto deste ano, a empresa já havia confirmado que iria fazer essa mudança para unificar sua presença global.

Em nota, enviada a Tilt, a empresa explicou que a decisão de mudar o nome "Mi" para o Xiaomi é uma estratégia que visa o melhor posicionamento de marca.

"A Xiaomi planeja investir cada vez mais no segmento dos dispositivos inteligentes top de linha, isso inclui os smartphones e os produtos de ecossistema, pois esse é um dos principais caminhos que a empresa enxerga crescimento", afirmou.

"Para associar os melhores produtos à nossa marca, a solução foi batizar esta linha com o nosso nome. O nova nomenclatura foi inaugurada com o Xiaomi 11 Lite 5G, lançado em janeiro deste ano", completou.

Apesar de consumidores brasileiros e de outros países terem se acostumado com o "Mi" em produtos da marca, vale lembrar que essa designação nunca fez parte das versões chinesas dos smartphones.

Segundo depoimento de um representante da marca ao site The Verge, hoje em dia há um gargalo na forma como a companhia é conhecida pelo mundo.

Recentemente, a Xiaomi ultrapassou a Apple em vendas de smartphones e assumiu a segunda posição do ranking global, atrás apenas da Samsung.

E o que é o "Mi"

O cofundador e presidente executivo da marca chinesa, Lei Jun, explicou a origem do termo ainda em 2011. "Mi" é uma sigla com dois sentidos: "Missão Impossível" e "Mobile Internet (internet móvel, em tradução direta", sinalizando o sonho de "realizar o impossível", além de ser uma companhia dedicada a dispositivos móveis.

Não se sabe se essa mudança no nome da linha principal será seguida de alterações na marca gráfica da Xiaomi. A identidade da empresa passou por uma reformulação ainda neste ano, trazendo um emblema em laranja em que se lê "Mi". Além disso, o endereço digital da empresa é mi.com. Vamos ter que aguardar os próximos capítulos da mudança.

Também não é possível afirmar se haverá mudança em torno das submarcas Poco e Redmi, aparelhos mais acessíveis e intermediários em relação à faixa de preço e poder de processamento.