PUBLICIDADE
Topo

Evento 11/11: AliExpress terá 6 aviões para trazer compras da China

rupixen.com/ Unsplash
Imagem: rupixen.com/ Unsplash

Lucas Santana

Colaboração para Tilt

11/11/2021 04h00Atualizada em 11/11/2021 18h03

Se os Estados Unidos têm a Black Friday, a China também tem uma data anual de vendas para chamar de sua. Ela ocorre sempre no décimo primeiro dia de novembro, no chamado "11/11", conhecido também como "Double Eleven" (onze duplo) ou "Dia dos Solteiros". Com sua popularidade, outros países também adotaram o evento, inclusive o Brasil.

A primeira edição chinesa do grande dia de promoções aconteceu em 2009 e foi organizada pelo Alibaba, gigante local do comércio eletrônico, justamente para concorrer com a Black Friday. A plataforma de vendas online AliExpress, que faz parte do grupo Alibaba, atua forte para atrair consumidores. Nesta quinta-feira (11), a empresa terá pelo menos seis aviões fretados à disposição da operação brasileira para fazer as entregas vindo direto da China.

Segundo Yan Di, gerente do AliExpress no Brasil, neste ano a empresa espera um volume de vendas recorde, mesmo com o dólar estourando a barreira dos R$ 5,50. A informação foi dada durante coletiva de imprensa realizada na quarta-feira (9). O objetivo, segundo ele, é que os consumidores recebam suas encomendas antes do Natal.

Na cidade de São Paulo, a promessa é de entrega em até três dias. Empresas concorrentes da Alibaba e da AliExpress também vão aderir o "11/11" no Brasil, como BangGood, GearBest e Mini In the Box.

Black Friday vs Double Eleven: o que tem de diferente?

Na disputa comercial da China com os EUA pelo campo do comércio eletrônico, a China parece ter uma vantagem importante. Além de sua população consumidora de 1,8 bilhões de pessoas, as marcas de ecommerce asiático estão em expansão pelo mundo.

A AliExpress, por exemplo, tem atualmente uma frota de 80 aeronaves entregando mercadorias chinesas para os cinco continentes. Dessas, cinco servem regularmente o mercado brasileiro, de acordo com informações de Yan Di.

"Somente a operação do Alibaba no 'Dia dos Solteiros' garante um volume de vendas oito vezes maior do que toda a Black Friday dos EUA, o equivalente a 74 bilhões de dólares", afirmou o executivo.

Esse valor representa mais do que quatro anos inteiros de vendas do ecommerce brasileiro, que movimentou R$ 53 bilhões em 2021, segundo levantamento do site eBit.

Estratégia para atrair brasileiros

Nos últimos anos, o ecommerce chinês e asiático investiu no Brasil divulgando suas marcas a partir de parceria com influenciadores e com propagandas (veiculadas em comerciais de TV e redes sociais, por exemplo).

Segundo dados do Instituto Reclame Aqui, que avalia a satisfação dos consumidores brasileiros em compras online nacional, 56,5% dos entrevistados disseram já ter comprado em plataformas do leste asiático como AliExpress, Shein e Shopee.

A AliExpress ocupa 32% do mercado de sites de vendas internacionais que atuam por aqui, segundo o executivo. E para atrair mais o público brasileiro, ela permitirá pela primeira vez pagamentos via PIX e parcelamento em diferentes opções.

Além disso, influenciadores digitais no TikTok, entre eles PKllipe, Tirulipa, Camila Loures, Gabi Martins e Juliana Puzzuoli, todos com audiências na casa do milhão farão ações em nome da marca — para convencer os consumidores a gastar na plataforma, principalmente os mais jovens.

A edição de 2021 marca também a primeira vez em que vendedores brasileiros poderão vender na plataforma durante o evento, explicou o executivo da Aliexpress —a empresa autorizou a entrada de lojistas nacionais em agosto deste ano.

Os brasileiros também poderão pela primeira vez usar a ferramenta "live commerce", em que os lojistas fazem transmissões ao vivo enquanto vendem seus produtos, uma versão moderna das televendas do passado.

Compras online: como não cair em roubada

Como em qualquer compra online, fazer uma boa pesquisa antes de efetuar um produto é essencial. Para evitar dor de cabeça, procure na página do vendedor escolhido opiniões de outros consumidores, principalmente de compradores brasileiros.

A nota do lojista na plataforma — geralmente de zero a cinco — também é uma boa indicação da qualidade do serviço e dos produtos. Outra boa dica é desconfiar de valores muito baixos, principalmente de eletrônicos como computadores, celulares e consoles de videogame.

No caso de compras internacionais realizadas em sites estrangeiros, a atenção deve ser redobrada. Isso porque a aquisição de produtos nessas plataformas configura importação direta, logo, o Código de Defesa do Consumidor não garante os mesmos direitos das compras em lojas nacionais, como a garantia.

Lembre-se ainda de calcular o valor da sua compra e o frete. No Brasil, a legislação permite que você importe produtos de até US$ 100 dólares sem taxas alfandegárias na mesma compra. Aquisições com valores superiores podem ser taxadas em até 60% pela Receita Federal. Nesse caso, o consumidor só poderá retirar o produto em uma agência dos Correios mediante pagamento do imposto federal.

Na coletiva de imprensa, Yan Di afirmou que a operação local do AliExpress facilita a devolução de compras realizadas na plataforma por meio de parceiros logísticos locais. Nessa situação, em caso de retorno do produto, o consumidor receberia o dinheiro de forma mais rápida, pois o item não precisaria voltar à China para o estorno ser realizado.