PUBLICIDADE
Topo

Tentativas de fraude crescem 22,2% em setembro, diz Serasa

Laptop com aviso de fraude na tela - Freepik
Laptop com aviso de fraude na tela Imagem: Freepik

Letícia Naísa*

De Tilt, em São Paulo

07/11/2021 15h59

No período de um ano, tentativas de fraude cresceram 22%, segundo o Indicador de Tentativas de Fraude da Serasa Experian. O levantamento foi feito entre setembro de 2020 e setembro de 2021. Ao todo, foram identificados 3,1 milhões de ataques, sendo que a maioria foi em bancos e cartões (57%).

Uma tentativa de fraude a cada 7 segundos aconteceu no mês de setembro deste ano, segundo a Serasa. A pesquisa aponta que as tentativas de fraude aconteceram com maior frequência entre a faixa etária dos 36 aos 50 anos de idade. Foram 1,1 milhões de casos identificados entre essa população.

A segunda parcela que mais sofreu com o problema foi de quem tem entre 26 e 35 anos, com 855 mil casos. Acima dos 51 anos até os 60, 441 mil pessoas passaram por tentativas de fraude. A população acima dos 60 anos registrou 354 mil movimentações suspeitas.

Para Jaison Reis, diretor de soluções de identidade e prevenção a fraudes da Serasa Experian, a digitalização cada vez maior das transações faz com que as ocorrências suspeitas aumentem.

"Quanto mais a tecnologia avança, mais tentativas de golpe acontecem", diz em nota da empresa. "Os brasileiros já estão familiarizados com as plataformas online e utilizam mais os serviços digitais. Por isso, é fundamental que as empresas tenham suporte e ferramentas de alta segurança que possam evitar qualquer tentativa suspeita e bloqueiem as atitudes dos fraudadores", recomenda Reis.

Brasil afora

A pesquisa da Serasa também mostra uma divisão de movimentações suspeitas por região do país. O Nordeste foi a que apresentou maior aumento do problema, de 26,7%, seguido pela região Norte, com 24,1%.

As regiões Centro-Oeste e Sudeste tiveram alta parecida, de 22,2% e 22%, respectivamente. No Sul do Brasil, as tentativas de fraude aumentaram 17,4%.

Como reduzir o risco de golpes

Além da troca regular de senhas, outras atitudes também ajudam a se manter protegido no ambiente digital. Confira algumas dicas:

  • Vai fazer uma transação financeira em um site? Verifique se ele é seguro e se você está realmente acessando a plataforma oficial (o ícone de cadeado que aparece na barra de endereço do navegador é um bom indicador de segurança);
  • Use senhas fortes, com caracteres especiais, misturando letras e números -- sem informações pessoais -- em todos os serviços digitais que tiver cadastro. Não se esqueça de criar combinações seguras também para cartões de débito e crédito;
  • Não repita a mesma senha para mais de um site ou app;
  • Sempre que possível, ative o segundo fator de identificação (aquele mecanismo que para fazer login é necessário receber um código adicional no email, via SMS ou app para liberar acesso a plataforma);
  • Acompanhe rotineiramente extratos bancários e do cartão de crédito. Notou algo suspeito, entre em contato com o seu banco;
  • Nunca passe senhas e códigos recebidos por email ou telefone;
  • Fique atento aos emails recebidos. Mensagens oficiais de empresas (principalmente as grandes) normalmente usam o nome da marca, e não informações genéricas ou domínio de emails gratuitos, como Hotmail e Gmail, por exemplo.
  • Recebeu uma mensagem no WhatsApp de alguém pedindo dinheiro? Desconfie! Ligue para a pessoa que supostamente enviou o pedido e confirme se a história é verdadeira.

*Com matéria de Thaime Lopes