PUBLICIDADE
Topo

Bomba Sexual: Por que novo avião espacial hipersônico leva apelido picante

Avião espacial ganhou esse nome por seu formato considerado "sexy" e por sua potência de impacto - Divulgação/SES
Avião espacial ganhou esse nome por seu formato considerado "sexy" e por sua potência de impacto Imagem: Divulgação/SES

Colaboração para o UOL

27/10/2021 13h52Atualizada em 27/10/2021 13h52

Uma empresa aeroespacial canadense escolheu um nome surpreendente para um avião espacial hipersônico que planeja lançar em 2022: "Sexbomb", ou "Bomba Sexual" em português.

A Space Engine Systems (SES) anunciou que pretende lançar o Sexbomb em Manitoba, província canadense, de acordo com um comunicado encaminhado à imprensa. O veículo será usado para testar o protótipo do motor da espaçonave da empresa.

"A energia cinética da aeronave é muito alta", disse Pradeep Dass, presidente e CTO da empresa, ao Futurism. "Vai funcionar como uma bomba se atingir alguma coisa. É sexy, então é uma bomba sexual".

O nome dado à aeronave levantou discussões sobre a razão dessa escolha. Internautas indagaram se a escolha teria sido inspirada pelo cantor de músicas românticas Tom Jones, pelos quadrinhos do personagem Scott Pilgrim ou pelas estratégias de marketing provocativas evocadas pelos memes de Elon Musk, da Tesla, cujo foguete parece um brinquedo sexual.

A empresa disse que, durante a demonstração, a Sexbomb será lançada de um balão gigante a 33,5 km de altura. A nave descerá em queda livre a quase duas vezes a velocidade do som, antes de ligar seus motores e acelerar a uma velocidade de mais de 6.000 km/h antes de pousar.

O motor usará um sistema de combustão multicombustível de "propelentes sólidos e líquidos não tóxicos", de acordo com o site da SES.

Embora a empresa tivesse planejado inicialmente um teste em 2021, agora espera-se que ele seja lançado em 2022 devido ao processo de aprovação regulatória, relata o The Manitoba Post. A SES disse que quer lançar missões com tripulação até 2025, porém, com passagens custando um terço do que custa em outras empresas de turismo espacial.

Dass também espera que a tecnologia hipersônica abra as portas para novas inovações, sugerindo que seus veículos poderiam "entregar órgãos humanos para transplantes que salvam vidas de Toronto para Edmonton em 30 minutos".