PUBLICIDADE
Topo

Chuvas de meteoros estarão visíveis entre hoje e sexta; veja como observar

Imagem ilustrativa do céu noturno durante a passagem de um meteoro - iStock
Imagem ilustrativa do céu noturno durante a passagem de um meteoro Imagem: iStock

Marcella Duarte

Colaboração para Tilt, em São Paulo

28/07/2021 12h51Atualizada em 28/07/2021 14h18

Rastros e "bolas de fogo" brilhantes de meteoros estão previstos para animar o céu nesta semana em dois eventos: a Delta Aquáridas do Sul e a Alfa Capricórnidas. O pico das duas chuvas de meteoros acontecerá entre hoje (28) e sexta-feira (30).

Em tese, seria possível ver até 30 meteoros riscando a noite, por hora, a olho nu. Porém, este ano, seremos "atrapalhados" por outro belo fenômeno: a Lua. Saindo da fase cheia, ela ainda está muito brilhante, e pode ofuscar boa parte da observação. O céu nublado em algumas regiões brasileiras também, infelizmente, deve impedir o acompanhamento do fenômeno.

"Para ver os meteoros, precisamos ter céus escuros, sem interferência de luzes artificiais ou mesmo da claridade lunar", explica Julio Lobo, astrônomo do Observatório de Campinas. "A Lua minguante com seu forte brilho estará bem próxima aos radiantes das chuvas e vai prejudicar as observações."

As chuvas de meteoros começaram a acontecer em julho e devem durar cerca de quarenta dias. Mas nesta semana é quando os fenômenos estarão mais ativos. O evento astronômico é visível a olho nu, sem necessidade de telescópios ou equipamentos especiais.

Diferenças entre os fenômenos

Como o nome sugere, a Delta Aquáridas do Sul é melhor observada em todo o hemisfério sul, pois seu radiante —ponto de onde os meteoros aparentam surgir, na Constelação de Aquário— fica mais alto no céu deste lado do planeta. No pico, são registrados entre 20 e 25 meteoros por hora.

Já a Alfa Capricórnidas, menos intensa, tem o radiante na constelação de Capricórnio e é vista igualmente nos dois hemisférios. Apesar de mais difícil de observar, com cerca de 5 eventos por hora, ela tem um diferencial: os meteoros costumam aparecer como bolas de fogo brilhantes, deixando clarões no céu, em vez dos tradicionais rastros.

22.fev.2021: Meteoro "fireball" - bola de fogo - é visto em São Paulo e Minas Gerais - Reprodução/Clima Tempo - Reprodução/Clima Tempo
22.fev.2021: Meteoro "fireball" - bola de fogo - visto em São Paulo e Minas Gerais
Imagem: Reprodução/Clima Tempo

Como observar

Os melhores dias para observar as chuvas de meteoros são nas noites de hoje, amanhã e de sexta-feira. Apenas os mais brilhantes conseguirão ser observados por conta do brilho da Lua, como já mencionado. Ela estará cerca de 75% cheia hoje.

Para tentar a sorte de ver uma "estrela cadente", basta seguir estas dicas:

  1. Torça por um céu sem nuvens. Procure um lugar com pouca luz, como uma varanda ou quintal, de preferência longe de grandes centros. Quanto menos poluição luminosa, mais chances de observação.
  2. Fique confortável. Deite-se ou sente em uma cadeira (como uma de praia), proteja-se do frio e evite usar o celular o tempo todo para não se distrair e nem ter a visão ofuscada pela claridade da tela.
  3. Tenha paciência. Seus olhos demoram cerca de 20 minutos para se acostumar com o céu noturno e a diferenciar a luminosidade dos diferentes corpos celestes (estrelas, planetas, meteoros).
  4. A partir das 21h, olhe para o leste (direção em que o Sol nasce). As constelações de Aquário e de Capricórnio, onde estão localizados os radiantes, já estarão visíveis no horizonte, acima da Lua, que estará nascendo.
  5. Um app de observação dos céus, como Stellarium, Star Walk, Star Chart, Sky Safari ou SkyView, pode te ajudar a encontrar estes pontos. Os meteoros vão aparentar convergir ao redor das constelações.
  6. Observe atentamente e espere pelos meteoros. Eles podem surgir a qualquer hora e são possivelmente visíveis até o amanhecer. Acompanhe a movimentação das estrelas pelo céu.

E não se esqueça de fazer um pedido a cada estrela cadente vista, como manda a tradição.

Os dias que seguem, no final de semana e início da próxima, quando a Lua estará menos brilhante, também nos darão boas chances de observação — mas com chances de bem menos meteoros por hora, talvez uns dez.

O que são meteoros?

Meteoros são as populares estrelas cadentes: pequenos pedaços de rochas e poeira espacial que queimam ao entrar na atmosfera da Terra em altíssima velocidade, resultando em um belo fenômeno luminoso. Em geral, são inofensivos e se desintegram bem antes de atingir o solo.

Os meteoros maiores e mais brilhantes também são chamados de bólidos; e os que explodem no céu, iluminando o entorno, são conhecidos como bolas de fogo (fireballs). A luz pode ser branca ou colorida, e dura apenas alguns segundos.

Os meteoros podem ser incidentes isolados ou fazer parte de alguma chuva. A Delta Aquáridas é originada por resquícios do cometa 96P/Machholz; a Alfa Capricórnidas, pelo 169P/NEAT. Elas acontecem uma vez por ano, quando a Terra, em seu movimento de translação em torno do Sol, cruza a órbita do respectivo cometa, onde flutua uma trilha de destroços e poeira.

Neste período, por cerca de um mês, algumas dessas partículas atingem nossa atmosfera, causando a bela chuva de meteoros — que atinge seu pico durante cerca de dois dias, quando atravessamos a área mais central e densa do rastro.

As próximas chuvas visíveis do hemisfério sul são a Táuridas do Sul, com pico entre 9 e 10 de outubro, e a Orionidas, entre 20 e 21 do mesmo mês.