PUBLICIDADE
Topo

GT2 Pro: relojão da Huawei tem bateria que dura 2 semanas e tela resistente

Smartwatch Huawei Watch GT2 Pro - Guilherme Tagiaroli/Tilt
Smartwatch Huawei Watch GT2 Pro Imagem: Guilherme Tagiaroli/Tilt

Guilherme Tagiaroli

De Tilt, em São Paulo

21/07/2021 04h00

Para quem já sabe das conveniências que é usar um smartwatch, um passo natural é olhar os modelos mais sofisticados. Este é o objetivo do Watch GT2 Pro, da Huawei, lançado no início deste ano. Ele é um "relojão" mesmo, um pouco mais pesado que a média e com recursos interessantes: medidor de batimentos, bateria que dura até 14 dias e tela super-resistente.

Como ponto negativo fica o fato de ter um visual mais parrudo e ser grande, o que pode afastar pessoas que desejam algo mais discreto. Além disso, o GPS que ele possui me pareceu menos preciso, comparado com outros relógios da própria marca.

Abaixo, minhas impressões sobre o uso do Watch GT2 Pro, o smartwatch mais avançado da Huawei no mercado brasileiro até o momento. Na estreia, ele custa R$ 2.300. Atualmente, em varejistas você encontra o modelo numa faixa que varia entre R$ 1.500 e R$ 2.000.

Visual

O Watch GT2 Pro tem uma tela de safira de 1,39 polegada (3,5 centímetros) de resolução HD. Além do tamanho, aqui o que importa é o material do vidro que é o mesmo do Apple Watch. Ele torna o visor mais resistente e menos suscetível a riscos em meio a eventuais batidas ou pancadas durante o uso do relógio.

Confesso que dei uma forçada de barra encostando "sem querer" em paredes para checar se riscava o vidro, e ele continuou intacto.

Watch GT2 Pro - Guilherme Tagiaroli/Tilt - Guilherme Tagiaroli/Tilt
Imagem: Guilherme Tagiaroli/Tilt

A moldura dele é de titânio o que confere ao Watch GT2 Pro um visual mais agressivo e mais peso — o relógio junto com a pulseira Sport, utilizada no teste, pesa 52 gramas. A título de comparação um Apple Watch Series 6, também de titânio, pesa 41,3 gramas.

A mim não incomodou o peso do Watch GT2 Pro. Foi uma questão de costume. Depois do segundo dia, nem percebia mais que estava utilizando-o, mas vale o aviso para quem estiver interessado.

Guilherme Tagiaroli/Tilt - Lateral do smartwatch Watch GT2 Pro, da Huawei - Lateral do smartwatch Watch GT2 Pro, da Huawei
Guilherme Tagiaroli/Tilt
Imagem: Lateral do smartwatch Watch GT2 Pro, da Huawei

No Brasil, há a opção com pulseira sport e clássica. Nos dois casos, me pareceu que a Huawei quer convencer o público masculino a comprá-lo. Até no material promocional da marca só há homens utilizando o acessório.

O Watch GT2, lançado em 2019, tinha uma versão com caixa de 42 mm e de 46 mm (mesmo tamanho do Watch GT2 Pro), dando maior opção para os consumidores. A Huawei também comercializa o Watch Fit (que lembra bastante o Apple Watch) e a Band 6, que é mais simples. Fica aqui a dica de opções para diferentes gostos.

Barra de configuração rápida do Watch GT2 Pro, da Huawei - Guilherme Tagiaroli/Tilt - Guilherme Tagiaroli/Tilt
Barra de configuração rápida do Watch GT2 Pro, da Huawei
Imagem: Guilherme Tagiaroli/Tilt

Usando

Os relógios da Huawei funcionam integrados tanto com quem tem telefone iOS quanto Android. Basta parear o smartphone com o app Huawei Saúde (ou Huawei Health), ativando o Bluetooth do celular e informando o modelo no aplicativo.

Por padrão, ele deixa ativado o monitoramento cardíaco e o monitoramento de sono. Nesses tempos em que alguns podem fazer home office, o relógio tem um recurso que avisa se você ficar muito tempo sentado. Ele sugere que a pessoa se levante.

Para medir a saturação do oxigênio (SpO2), que dá uma ideia sobre a capacidade cardiopulmonar, é necessário escolher a opção de forma manual no relógio.

Interface do aplicativo Huawei Saúde, que gerencia os smartwatches da marca chinesa - Reprodução - Reprodução
Interface do aplicativo Huawei Saúde, que gerencia os smartwatches da marca chinesa
Imagem: Reprodução

O smartwatch conta com centenas de modos de exercício, como esqui, snowboard, boxe, entre muitos outros. Automaticamente, ele consegue detectar caminhada, corrida, remada e elíptico.

O bacana dele é que, conforme você vai treinando, ele mostra o nível dos batimentos cardíacos em tempo real, o que permite ter uma noção maior do nível de intensidade da prática.

Medidor de estresse no Huawei Watch GT2 Pro - Guilherme Tagiaroli/Tilt - Guilherme Tagiaroli/Tilt
Baseado nos batimentos cardíacos, relógio da Huawei estima nível de estresse da pessoa
Imagem: Guilherme Tagiaroli/Tilt

No app Huawei Saúde, é possível ver detalhes do treino como ritmo (no caso de corrida/caminhada), altitude (o quanto de elevação houve no trajeto), além do VO2Max, que indica o consumo máximo de oxigênio que a pessoa pode utilizar em exercícios intensos. Esta medida ajuda a indicar a capacidade aeróbica, cardíaca e pulmonar da pessoa.

Bateria que dura bem

Algo que impressiona nos vestíveis da Huawei é a capacidade de bateria. Comigo, o Watch GT2 Pro durava em média 10 dias de uso intenso (medindo batimento cardíaco a toda hora e sem tirá-lo do pulso) — a companhia fala que dura até 14 dias de uso moderado.

Comparado com relógios equivalentes, ele não tem conexão móvel (Wi-Fi ou 4G) ou assistente pessoal. Mesmo assim, via conexão Bluetooth é possível atender chamadas pelo relógio.

Caminho de volta

Uma novidade deste modelo é o recurso Route Back. Imagine que você saiu para caminhar e não se lembra como volta. Este recurso — que é ativado quando se está fazendo alguma atividade com monitoramento via GPS (como caminhada ao ar livre ou corrida ao livre, por exemplo) — promete auxiliar no caminho de volta. Ele é ativado ao dar um toque para o lado durante a atividade física, e ele aparece como opção.

Ainda que eu faça atividades físicas apenas em locais que conheço, testei a funcionalidade e ele dá indicativos genéricos no relógio sobre qual direção seguir, mas confesso que não senti muita firmeza. Talvez auxilie minimamente quem está perdido em um local que não conhece, mas não botaria minha mão no fogo.

Recurso Route Back, do relógio Watch GT2 Pro, mostra caminho para voltar para origem de um percurso - Guilherme Tagiaroli/Tilt - Guilherme Tagiaroli/Tilt
Recurso Route Back, do relógio Watch GT2 Pro, mostra caminho para voltar para origem de um percurso
Imagem: Guilherme Tagiaroli/Tilt

Aliás, o GPS do relógio mostrava níveis de precisão bem distintos comparados com outros relógios da própria Huawei. Todo dia caminhava por um trajeto de 6,8 km medido pelo Watch GT2, e o Watch GT2 Pro sempre indicava um trajeto maior, na casa dos 7,2 km. Para tirar a prova dos nove, usei o GPS do app Google Fit no celular em um dia, e ele indicou 6,8 km.

Outro ponto é que às vezes o GPS demorava para captar o sinal — para tentar acelerar o processo, eu fazia o sinal de 8 com o braço, o que funcionava na maioria das vezes.

A questão do GPS talvez valha para quem curte medir com precisão o desempenho durante a atividade física. Se essa não for a sua, isso não deve ser uma preocupação.

Conclusão

A Huawei acertou em cheio no Watch GT2 Pro. Tem um visual agressivo, resistente e pode agradar quem quer um smartwatch com pinta e peso de relógio esportivo. Minha única sugestão é que poderia ter uma versão com o corpo menor e mais opções de pulseiras.

Definitivamente, não é um gadget barato. No entanto, quando consideramos que o Apple Watch SE — uma das versões mais baratas do gadget da Apple — custa R$ 3.799, a opção da companhia chinesa passa a ser interessante para quem quer estilo além de medir atividade física.

Ficha técnica: Huawei Watch GT2 Pro

  • Tela: Amoled de 1,39 polegadas 454 x 454 HD
  • Dimensões: 46,7 mm x 46,7 mm x 11,4 mm
  • Armazenamento: 4 GB
  • GPS: sim
  • Sensores: acelerômetro, giroscópio, geomagnético, óptico para medir frequência cardíaca, luz ambiente e pressão de ar
  • Compatibilidade: Android 5.0 ou superior e iOS 9 ou superior
  • Resistência à água: 5 ATM (suporta até 50 metros)
  • Bluetooth: 5.1
  • Wi-Fi: não
  • Preço: R$ 1.500 a R$ 2.000 (podendo variar conforme o varejista)

*O UOL pode receber uma parcela das vendas pelo link recomendado neste conteúdo. Preços e ofertas da loja não influenciam os critérios de escolha editorial.