PUBLICIDADE
Topo

Procon-SP terá central para vítima de roubo de celular se proteger de golpe

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Bruna Souza Cruz

De Tilt*, em São Paulo

24/06/2021 10h53Atualizada em 24/06/2021 17h03

O Procon-SP segue reforçando publicamente que empresas devem ter mecanismos mais simples para que vítimas de roubo ou furto de celulares consigam bloquear rapidamente os seus dados. Ontem (23), o órgão anunciou que vai criar uma central com orientações sobre o que os consumidores devem fazer para aumentar a proteção contra golpes.

A medida veio após a onda de denúncias de ações de criminosos que roubam celulares para limpar contas bancárias das vítimas.

Para isso, o Procon-SP exigiu que fabricantes de celulares, operadoras de telefonia e instituições bancárias enviassem para o órgão o passo a passo para realizar bloqueios de contas em aplicativos, número do celular, entre outros. Isso foi acordado durante reunião realizada ontem.

Estavam presentes: representantes das gigantes da tecnologia WhatsApp, Google, Apple, Samsung e Motorola. Além disso, responsáveis pelas operadoras Vivo, Claro e Tim, bem como a Febraban, que representa 120 bancos.

"Nossa ideia é que o consumidor possa acessar um único número para fazer todos esses bloqueios, isso está em andamento, mas não está disponível ainda", explicou Capez, em comunicado.

"O importante é conseguirmos avisar todos os consumidores sobre as ações preventivas; se conseguirmos inviabilizar esse tipo de golpe com as transações bancárias, esse mercado ilícito tende a reduzir", acrescentou.

App próprio

A intenção do Procon-SP é, num futuro próximo, desenvolver um aplicativo da própria instituição que consiga fazer os bloqueios devidos em poucos cliques para o consumidor, explicou Capez em entrevista a Tilt, realizada ontem.

Dessa forma, em vez de ter que recorrer aos bancos, operadoras e empresas de tecnologia, a vítima poderia resolver seus problemas recorrendo apenas ao app do órgão. Mas ainda não há prazo para que essa ideia se concretize.

A reunião com as gigantes de tech, telefonia e bancos

A Procon-SP realizou na manhã de ontem uma reunião para pedir que fabricantes de smartphones, representantes de instituições financeiras e operadoras de telefonia facilitem rapidamente o bloqueio de dados das vítimas.

Em entrevista a Tilt, Fernando Capez, afirmou que ficou satisfeito com o que foi discutido na reunião. Dentro dos objetivos de dar mais segurança para vítimas de roubos e furtos, a entidade quer que os bancos façam os bloqueios rápidos dos dados referentes às contas, senhas e aplicações financeiras.

Já para as operadoras de telefonia, o bloqueio deverá ser do chip e do IMEI (Identidade Internacional de Equipamento Móvel) do celular, explicou Capez.

O Procon-SP quer ainda que plataformas online como Google e Apple facilitem medidas para apagar dados que constam nos sistemas operacionais Android e iOS de cada aparelho furtado ou roubado.

"Deixei claro que o Procon não aceita procedimentos complexos para realizar esses bloqueios", disse Capez. "Essas ações precisam ser realizáveis nos cinco minutos seguintes ao furto ou roubo, são os minutos mais importantes para isso."

Foi vítima de roubo ou furto? Saiba o que fazer

Em nota divulgada ontem (22), o Procon-SP recomendou que pessoas que tiverem seus celulares furtados ou roubados registrem rapidamente um boletim de ocorrência.

Em seguida, o órgão afirmou que é necessário solicitar ao banco para que bloqueie sua conta e pedir à operadora que bloqueie tanto o chip roubado quanto o IMEI do aparelho, espécie de RG do celular.

Por fim, o Procon recomendou que as vítimas entrem em contato com as redes sociais, para que elas também apaguem os dados disponíveis no aparelho celular roubado ou furtado, impedindo que os criminosos busquem essas informações nos apps.

*

TILT NO TELEGRAM

*Com matéria de Aurélio Araújo.