PUBLICIDADE
Topo

Alibaba: ataque à gigante chinesa compromete dados de 1 bilhão de pessoas

Getty Images
Imagem: Getty Images

Aurélio Araújo

Colaboração para Tilt

17/06/2021 12h47

A Alibaba, gigante chinesa do ramo de comércio eletrônico, foi vítima de um ataque hacker que vazou dados sensíveis de consumidores ao longo de vários meses, segundo um caso judicial encerrado na China neste mês.

De acordo com informações da Bloomberg, o ataque foi realizado por um funcionário de uma empresa de consultoria que ajuda comerciantes a vender no Taobao, site de compras que pertence ao grupo Alibaba.

Para a Justiça chinesa, o funcionário foi responsável por vazar, desde 2019, mais de um bilhão de dados, que incluem nomes de usuário e números de telefone. Como consequência, ele e seu empregador receberam uma sentença de mais de três anos de prisão, além de multas que chegam a um valor de aproximadamente R$ 352 mil.

De acordo com a Alibaba, nenhum dos dados foi vendido e nenhum usuário da plataforma teve prejuízos financeiros com o episódio.

Com as informações sobre o caso chegando à imprensa, as ações da Alibaba na bolsa de valores de Hong Kong caíram mais de 1%.

"O Taobao dedica recursos consideráveis para combater a coleta de dados não autorizada em nossa plataforma, já que a privacidade e a segurança nos são da maior importância", informou um porta-voz do Taobao. De acordo com ele, foi o próprio site que descobriu o hackeamento.

Mudanças políticas na internet chinesa

No entanto, a situação se dá num momento em que o governo chinês quer aumentar o controle sobre os gigantes da internet no país, como a Alibaba e a Tencent (conglomerado chinês que desenvolve o WeChat), que lidam diariamente com a coleta de informações de milhões de consumidores.

O governo de Xi Jinping deseja que a China seja uma das líderes mundiais em big data, área que estuda como obter informações a partir de grandes conjuntos de dados. Pequim vem investindo muito em centros de processamento de dados e outras infraestruturas digitais para que a informação seja um dos pilares da economia nacional.

Ao mesmo tempo, porém, o governo tenta conter a influência desses grandes grupos privados, que já trabalham com coleta de dados.

Uma nova política sobre segurança de dados entra em vigor na China a partir de setembro, dando poder ao governo para dissolver ou multar empresas de tecnologia que tenham problemas com a gestão desses dados. Além disso, uma nova legislação sobre proteção de informações pessoais está sendo desenvolvida no país atualmente.