PUBLICIDADE
Topo

De onde vem o vento solar?

Felipe Abi?lio
Imagem: Felipe Abi?lio

De Tilt, em São Paulo

10/06/2021 04h00

Apesar de ter o mesmo nome de um fenômeno natural da atmosfera terrestre, o vento solar é muito diferente das nossas brisas, vendavais, tufões, e até furacões e ciclones.

Trata-se de um turbilhão de partículas que o Sol ejeta o tempo todo, em todas as direções. Essas partículas podem sair de lá a velocidades entre 300 e 800 quilômetros por segundo. O vento solar é capaz de deixar cidades inteiras sem eletricidade, provocar caos aéreo e atrapalhar a vida de quem se orienta por GPS.

O que provoca o vento solar é a superquente Coroa, a camada mais externa do Sol, que pode ser vista a olho nu durante eclipses solares. A temperatura da Coroa é tão alta que impulsiona as partículas para longe. Elas escapam do campo gravitacional do Sol e passam a viajar pelo Sistema Solar.

15.out.2015 - Em imagem cedida pela Nasa, obtida pelo Observatório Solar Dynamics, uma área escura é registrada na parte superior do sol, um buraco na coroa solar, em uma região em que o campo magnético se abre para o espaço, gerando ventos solares - material da coroa que é expelido a altas velocidades. O vento solar registrado causou uma tempestade magnética perto da Terra que resultou em várias noites de aurora boreal e austral - Nasa/Efe - Nasa/Efe
Imagem: Nasa/Efe

A cada segundo, a estrela solta no espaço cerca de 1 milhão de toneladas de material magnético basicamente composto de elétrons e núcleos de átomos de hidrogênio e hélio — os dois elementos mais abundantes no Sol.

O vento solar não é uniforme. A quantidade das partículas depende da atividade solar, pois há períodos em que o Sol é mais ativo e despeja muito mais matéria no espaço.

A velocidade do vento ainda varia de acordo com o local em que as partículas são ejetadas. Nos buracos coronais (regiões escuras da Corona, detectadas através de telescópios de raio-x), as partículas saem a uma velocidade de 800 km/s. Nas regiões mais próximas do equador solar, a velocidade média é de 400 km/s.

Depois de percorrer uma distância 20 vezes maior do que os 149 milhões de quilômetros entre a Terra e o Sol, as partículas perdem calor e velocidade, e o vento solar dissipa-se no espaço sideral.

O fenômeno é o grande responsável por destruir as caudas brilhantes dos cometas que atravessam o Sistema Solar e passam perto do Sol, por exemplo.

Por aqui, eles viram aurora boreal

Aurora Boreal - Marcello Cavalcanti - Marcello Cavalcanti
Imagem: Marcello Cavalcanti

As partículas do vento solar atingem o planeta Terra em intervalos regulares de tempo, enquanto o Sol gira em torno de si mesmo (sim, ele também "pratica" o movimento de rotação).

Quando chegam perto daqui, são atraídas para os polos magnéticos da Terra. O contato das partículas energizadas do Sol com os gases neutros da alta atmosfera terrestre provocam efeitos luminosos: as belíssimas auroras polares (austrais no polo sul e boreais, no norte).

O campo magnético é capaz de evitar a entrada da radiação solar na atmosfera terrestre. Mas, quando o Sol está muito ativo e ejeta mais partículas que o normal, grande parte do vento solar atravessa a atmosfera e provoca alterações em sinais de rádio e de eletricidade, e até confunde a migração de pássaros que orientam-se através do campo magnético da Terra.

O vento solar ainda pode causar panes em satélites artificiais e consequentemente, desvios de rotas de navios e de aviões que trafegam com ajuda de GPS.

Consultoria: Walter Maciel, professor no Departamento de Astronomia do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP. Fonte: site Solar Physics - Marshall Space Flight Center, administrado pela NASA.