PUBLICIDADE
Topo

Meteoro provoca clarão durante a noite no céu do Rio Grande do Sul

Imagem do bólido captada em Canela (RS) - Clima ao Vivo
Imagem do bólido captada em Canela (RS) Imagem: Clima ao Vivo

Renata Baptista

De Tilt, em São Paulo

06/06/2021 17h13

Um grande meteoro iluminou o céu de algumas regiões do Rio Grande do Sul na noite desta quinta-feira (3). A Bramon (Brazilian Meteor Observation Network), o Clima ao Vivo no Rio Grande do Sul e Santa Catarina e o observatório Heller & Jung registraram imagens impressionantes da queda do bólido - nome dado a meteoros que explodem com muito brilho.

Confira as imagens no vídeo:

De acordo com alguns relatos enviados à Bramon, por meio de redes sociais e da sua ferramenta de reporte, em alguns lugares o brilho do meteoro foi tão intenso que, por alguns instantes, transformou a noite em dia. Em seu momento mais luminoso, o bólido atingiu a magnitude -12.5, que equivale ao brilho de uma Lua Cheia.

Essa claridade pode ser vista no vídeo que foi registrado pela câmera do Observatório Heller & Jung no Balneário Jardim do Éden (RS).

Clarão observado em Jardim do Éden (RS) - Carlos Jung/Observatório Heller & Jung - Carlos Jung/Observatório Heller & Jung
Clarão observado em Jardim do Éden (RS)
Imagem: Carlos Jung/Observatório Heller & Jung

A partir da triangulação das imagens captadas pelas câmeras, a Bramon determinou a trajetória do meteoro. Ele atingiu a atmosfera da Terra em um ângulo de 57,3° em relação ao solo, e começou a brilhar a 75,9 km de altitude, 28 km a leste de Balneário Pinhal (RS). Seguiu a uma velocidade de 58,9 mil km/h na direção noroeste, percorrendo 58,1 km em 3,6 segundos, e desapareceu a 27 km de altitude, a 4 km da costa de Tramandaí (RS).

Trajetória do bólido - Bramon - Bramon
Trajetória de bólido
Imagem: Bramon

A partir das análises iniciais, a Bramon concluiu que o bólido foi gerado por um fragmento de rocha espacial de aproximadamente 25cm e 33 kg de massa, que foi, em grande parte, vaporizado enquanto passava pela atmosfera. É possível, no entanto, que algo em torno de 10% dessa massa tenha resistido e chegado em solo em Tramandaí (RS).

Fragmentos de meteoros são importantes aliados nos estudos sobre a formação do Sistema Solar e até sobre o surgimento da vida na Terra. No Brasil, não existe uma regulamentação que deixe esses resquícios para pesquisa.