PUBLICIDADE
Topo

WhatsApp derruba contas de jornalistas palestinos durante conflitos

Palestino anda entre escombros de um prédio destruído durante ataques aéreos de Israel à Faixa de Gaza - Suhaib Salem/Reuters
Palestino anda entre escombros de um prédio destruído durante ataques aéreos de Israel à Faixa de Gaza Imagem: Suhaib Salem/Reuters

De Tilt*, em São Paulo

25/05/2021 14h08

Dezenas de jornalistas palestinos afirmam que tiveram suas contas no WhatsApp bloqueadas após os recentes confrontos entre Israel e o movimento islâmico Hamas, que governa a Faixa de Gaza. Algumas destas contas já foram restauradas.

Pouco depois da entrada em vigor do cessar-fogo, às 2h da última sexta-feira (no horário local) — que encerrou 11 dias de um intenso conflito, com mais de 240 mortes — vários jornalistas relataram a falta de acesso ao serviço de mensagens.

Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Palestinos, Tahseen al-Astall, "cerca de 100 jornalistas" em Gaza enfrentaram o problema.

Dois jornalistas da redação da agência de notícias AFP em Gaza disseram ter recebido mensagens do WhatsApp em árabe informando que suas contas estavam bloqueadas.

O Centro Árabe de Desenvolvimento de Redes Sociais disse que o bloqueio de contas do WhatsApp não é um incidente isolado. Em um novo relatório, o grupo baseado em Haifa documentou 500 casos, nos quais os "direitos digitais" dos palestinos foram violados entre 6 e 19 de maio.

De acordo com a Associated Press, 17 profissionais em Gaza relataram a falta de acesso ao aplicativo de mensagens desde sexta-feira — até ontem, quatro deles tiveram as suas contas restauradas.

Alguns dos jornalistas afetados faziam parte de grupos de WhatsApp que divulgam informações relacionadas às operações militares do Hamas. Wael Al-Dahdouh, jornalista do canal Qatari Al-Jazeera, disse em entrevista à Al-Jazeera que os repórteres se inscrevem nos grupos apenas para obter as informações necessárias para o trabalho jornalístico.

Al-Dahdouh disse que também foi surpreendido por uma mensagem do WhatsApp informando que a sua conta havia sido banida por tempo indeterminado, coincidindo com a entrada em vigor do anúncio de cessar-fogo. Ele respondeu à mensagem de proibição perguntando o motivo e exigindo a reativação de sua conta. No entanto, ele não obteve resposta.

O jornalista ficou banido por três dias. Só no domingo o acesso foi reativado, depois que a administração do canal no Catar se comunicou com a administração do Facebook, proprietário do WhatsApp, nos Estados Unidos. Mas, ainda assim, seu histórico de mensagens foi apagado. Ele disse que perdeu informações, imagens, números, mensagens e comunicados.

Um porta-voz do WhatsApp informou, segundo a Al-Jazeera, que a empresa bloqueia algumas contas para cumprir suas políticas para prevenir danos, bem como para aplicação da lei. A empresa disse que entrou em contato com a mídia na última semana sobre suas práticas, e que vai readmitir jornalistas que forem afetados.

*Com informações da AFP