PUBLICIDADE
Topo

Deu Tilt #14: Não adianta apagar mensagens, diz perito de celulares

Thiago Varella

Colaboração para Tilt

12/05/2021 04h00

Tanto faz se o seu celular é Android ou iPhone, se você utiliza aplicativos de limpeza ou formata a memória do seu aparelho depois de ter feito algo errado. Os peritos criminais, hoje, com a tecnologia disponível, vão conseguir descobrir o que você aprontou.

Quem assegura isso é Evandro Lorens, diretor da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF). Ele bateu um papo sobre esse assunto com Guilherme Tagiaroli, repórter de Tilt, no 14º episódio do nosso podcast de ciência e tecnologia, o "Deu Tilt".

Ouça o episódio na íntegra no player acima.

"Não existe equipamento inviolável ou software inviolável. Neste mundo, infelizmente, para alguns, e felizmente, para outros, não existe nada que seja inviolável", afirma Lorens (a partir de 24:58).

Segundo o perito, não é possível dizer que iPhones são mais seguros que Androids ou vice-versa. São muitas as variáveis que determinam isso (a partir de 16:51).

"Pela quantidade de fabricantes que optam pela tecnologia Android você naturalmente pode encontrar uma diversidade maior de tipos de falhas, mas isso não quer dizer que a plataforma é menos segura", conta.

"Por outro lado, no mundo Apple, como tem pouca gente trabalhando em cima desse código, a quantidade de falhas descobertas pode ser menor. Então dá uma falsa sensação de que a plataforma é mais segura."

Para Lorens, não adianta nem mesmo deixar de usar o celular e ter uma suposta vida offline. Como o mundo inteiro está online, não há mais para onde fugir (a partir de 25:48).

"Onde você está passando tem câmera. Tem uma filmando a placa do carro, na loja que você entra, no banco. Hoje em dia, não tem essa possibilidade [de viver offline]. A não ser que você vá viver no mato. E mesmo assim tem drone e satélite. A gente não tem opções pra se desconectar e viver de forma anônima", disse.

Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts e em todas as plataformas de distribuição de áudio. Você pode ouvir Deu Tilt, por exemplo, no Spotify, na Apple Podcasts e no YouTube.

Errata: o texto foi atualizado
Diferente do informado no podcast, a empresa que ajudou a desbloquear celulares dos autores de um ataque em San Bernardino, na Califórnia, foi a Azymuth Security, e não a Cellebrite. Na época, acreditava-se que tinha sido a Cellebrite, mas só atualmente foi descoberto que tinha sido outra companhia.