PUBLICIDADE
Topo

Me ajuda, quais são os equipamentos que youtubers de sucesso usam?

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Camila Corsini

Colaboração para Tilt

30/04/2021 04h00Atualizada em 30/04/2021 16h16

O investimento em bons equipamentos de captação de imagem e áudio é essencial para quem pretende trabalhar com a própria imagem na internet. Três pontos são peças-chaves na vida da grande maioria dos youtubers: câmera, iluminação e microfone.

Tilt conversou com os profissionais que atuam nos canais dos youtubers Felipe Neto e Niina Secrets para saber quais equipamentos eles usam. Câmeras, lentes, celulares potentes, aparelhos de iluminação e até gravadores de áudio são muito importantes nesse processo.

Por isso, se você sonha em virar um youtuber de sucesso, é recomendável:

  • Investir em um bom programa de edição de imagens;
  • Ter uma boa câmera (ou webcam) que grave em alta resolução;
  • Ter um smartphone com câmera top de linha;
  • Fazer uso de equipamentos de iluminação (softbox light e ring light, por exemplo).

Tenha boas câmeras

Ter um bom programa de edição de vídeo não vai fazer milagre se você não tiver câmera e lentes capazes de fazer imagens nítidas em alta resolução. Há uma grande oferta no mercado de aparelhos que gravam vídeos desde em HD (alta definição, em inglês) até 8K (que oferece imagem em ultra definição).

Para os aspirantes a youtuber com grana para investir, o conselho é adquirir uma uma câmera DSLR, que usa espelhos para captar a luz. Nikon, Canon, Sony são algumas das gigantes que produzem esse tipo de câmera.

Há também algumas que não têm espelhos (chamadas de mirrorless), que captam luz diretamente no sensor e que oferecem resoluções muitas vezes superiores a algumas DSLRs.

Os vídeos do canal de Felipe Neto, um dos mais famosos youtubers brasileiros, são feitos usando uma mirrorless: a Sony a7R IV, conectada diretamente a um computador por meio do Elgato Cam Link, conector de câmera que permite transmissões ao vivo.

Acoplada a ela, é usada uma lente 24-70 mm, que permite aproximar e afastar os objetos retratados na cena, com uma abertura de 2.8, com a qual é possível desfocar o fundo da imagem. Quem quiser seguir os passos de Felipe, vai precisar desembolsar mais de R$ 40 mil só em equipamentos.

A Sony a7R IV* pode ser encontrada por mais de R$ 27 mil. Um Elgato Cam Link está custando R$ 1.200 e uma lente Sony 24-70 mm, com abertura f/2.8 (que controla a quantidade de luz que entra na câmera), pode ser encontrada por US$ 2.198 (o equivalente a mais de R$ 12 mil, na cotação atual).

Invista em boas lentes

As câmeras e lentes têm um papel importantíssimo no canal da Niina Secrets, blogueira de maquiagem e lifestyle que tem quase 4 milhões de inscritos, porque elas precisam ser capazes de retratar da forma mais fiel possível as cores e texturas dos produtos usados por ela.

O filmmaker e editor Elton Renato, coordenador do TeamSecrets, responsável pelos vídeos do canal, conta que os principais equipamentos são duas câmeras DSLR — a principal é uma Canon 80D (que está custando cerca de R$ 7.530,00).

O uso das lentes depende do tipo de cena a ser gravada. "Temos muitas [lentes], [como] 17-50 mm, 24 mm, 85 mm, 50 mm, 100 mm", explica. O valor varia de lente para lente. Enquanto uma de 17-50 mm da marca Sigma sai por R$ 3.220 uma 105 mm (macro), também da Sigma, custa mais de R$ 5.000.

Em linhas gerais, os milímetros dizem respeito à distância focal das lentes, ou seja, o que você consegue ver por meio dela. Lentes fixas de 50 mm, por exemplo, são ideais para planos médios, tipo retrato, com fundo desfocado.

Sem dinheiro? Invista em um bom celular

Câmeras DSLR e jogos de lentes são itens caros e, por isso, podem ser inacessíveis para quem está começando agora. Mas dá para usar uma webcam que grave em alta resolução e até seu próprio celular.

Raphael Vieira, diretor artístico da Play9, empresa de conteúdo que tem como um dos sócios Felipe Neto, conta que muitos dos youtubers famosos têm feito uso de telefones nos seus projetos. Segundo ele, as imagens feitas com smartphones tem tido uma "qualidade assombrosa" que só cresce "a cada atualização de hardware".

Como exemplos, a produtora usa aparelhos da linha Samsung —Galaxy Note, Galaxy S10— e Apple —iPhone 11 e 12— nas filmagens. O mais barato desses aparelhos, o Galaxy S10, está saindo por cerca de R$ 3.500 em marketplaces (ele está esgotado no site Samsung Brasil). O mais caro é o iPhone 12, cujo modelo mais em cota (64 GB) está saindo por R$ 7.999.

Quando começou como youtuber em 2015, a criadora de conteúdo de Saúde e Comportamento Lorena Eltz nem computador tinha. Ela fazia tudo pelo celular, da captação à edição e postagem. Ela fez isso até 2020, quando conseguiu investir em equipamentos para o Instagram e YouTube. Hoje ela usa um iPhone 11 para gravar Reels, IGTVs e tirar fotos. O modelo mais barato do aparelho custa R$ 5.699 no site da Apple.

Apesar de recentemente ter investido em equipamentos mais robustos, como a câmera de mão modelo DJI Osmo Pocket (que custa mais de R$ 2,000), ela conta que o celular ainda é muito importante. "Ainda produzo muitas coisas somente com o celular e a minha iluminação é toda natural", diz.

Invista em uma boa iluminação

É importante também investir em uma luz adequada. Aparelhos como softbox light ou ring light viraram os queridinhos dos influencers —esse último deixa um círculo iluminado dentro dos olhos. O primeiro (com um bocal para quatro lâmpadas) está saindo por mais de R$ 200 na Amazon. O segundo pode ser encontrado por mais de R$ 100.

No caso do canal de Niina Secrets, a iluminação é pensada para que os vídeos tenham cores mais frias (azul, verde e violeta). Segundo Elton Renato, coordenador do TeamSecrets, responsável pelos vídeos do canal, as cores quentes (vermelho, laranja e amarelo) geram pequenas distorções nas cores de produtos como base, corretivo e outros.

Até o design do ambiente é pensado para garantir a melhor iluminação. "Temos recortes de luzes mais quentes do próprio ambiente, que foram pensados para difundir e trazer um ar mais natural", afirmou.

Preste atenção na qualidade do áudio

Todos os produtores de conteúdo entrevistados gravam o áudio separadamente para garantir a sua qualidade. Nesses casos, o processo tende a demandar mais tempo de pós-produção, devido ao envio do áudio, sincronização com as imagens captadas em software de edição e finalização.

Para os canais dos advogados Silvio Almeida e Gabriela Prioli, que têm conteúdos mais relacionados à política, o estúdio de conteúdo Play9 usa um microfone tipo lapela da Tascam acoplado a um minigravador (o modelo DR-10L está custando R$ 1.799 no site da empresa), para o som ganhar mais qualidade.

Já o canal de Felipe Neto usa um microfone Shure SM7B (mais de R$ 4.100 em marketplaces) conectado a uma mesa de som Goxlr (custa mais de R$ 5.000). Por meio dela, é possível controlar o volume e efeitos sonoros com facilidade. "Ela também se conecta ao computador criando um único arquivo de áudio e vídeo integrado mantendo uma qualidade altíssima", explicou o diretor do canal, Bruno Correa.

O canal de Niina Secrets usa um gravador digital de quatro canais acoplado ao microfone. A equipe conta com um conjunto de microfones específicos para cada conteúdo:

  • Um NTG2, da Rode, para os vídeos cotidianos;
  • Um par do tipo lapela sem fio EW100, da Sennheiser, para entrevistas ou colaborações;
  • Um videomic Pro, da Rode, para vlogs ou captações mais descoladas.

Essa estratégia também é adotada pela youtuber Lorena Eltz, que usa um microfone de lapela BY-M1, da Boya, que pode ser encontrado por cerca de R$ 150 nos marketplaces). Em uma rápida pesquisa, Tilt não encontrou uma grande oferta dos microfones usados por Niina no mercado brasileiro.

Não adianta investir se o conteúdo é ruim

Aparelhos à parte, o conteúdo dos vídeos precisa ser relevante. Os vídeos do canal de Lorena Eltz que mais fizeram sucesso foram produzidos de forma simples.

Ainda assim, segundo ela, vale investir em equipamentos porque a qualidade trazida por eles ajuda no trabalho do criador de conteúdo —ainda que, em seu nicho, ela não tenha sentido um impacto direto no número de seguidores.

"Para parcerias, acredito que a marca espera um profissionalismo, mas que pode ser entregue através de um bom conteúdo —e não somente com vídeos de qualidade profissional", acredita.

*O UOL pode receber uma parcela das vendas pelo link recomendado neste conteúdo. Preços e ofertas da loja não influenciam os critérios de escolha editorial.