PUBLICIDADE
Topo

Quem usou "remédio preventivo" teve mais covid no AM, diz modelo matemático

picture alliance/Colaborador Getty Images
Imagem: picture alliance/Colaborador Getty Images

Carlos Madeiro

Colaboração para Tilt, em Maceió

09/04/2021 04h00

Uma pesquisa feita com moradores de Manaus revela como a covid-19 foi mais frequente em pessoas que tomaram remédios na esperança de não contrair o coronavírus. No grupo que usou alguma medicação com o intuito de prevenir a doença, a prevalência da covid-19 foi de 38,6%, contra 25,9% no grupo que não tomou nenhum medicamento com esse objetivo.

Esse é um dos resultados da pesquisa DETECTCoV-19, assinada por pesquisadores da UFAM (Universidade Federal do Amazonas), Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) Amazônia, FVS-AM (Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas), Universidad Peruana Cayetano Heredia e IETSI (Instituto de Evaluación de Tecnologías en Salud e Investigación, do Peru).

A iniciativa acompanha desde agosto do ano passado 3.046 pessoas na capital do Amazonas. A primeira fase da pesquisa, que ocorreu entre agosto e setembro, revelou que naquele momento a doença foi mais forte não só em quem tomou remédio para "se prevenir", mas também em famílias pobres.

Dados mais aprofundados são esperados, já que os pesquisadores estão concluindo a terceira fase do estudo. Ela vai mostrar o impacto da segunda onda da covid-19 em Manaus, quando o Estado viveu dias de colapso em hospitais, falta de oxigênio e recorde de mortes.

"As pessoas que se medicam, de alguma forma, sentem-se seguras e baixam a guarda. Quando a gente falava isso sem dados, poderia até se questionar. Mas agora temos esses dados da população de Manaus. Não é uma coisa longe da realidade", afirma Jaila Borges, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da UFAM e uma das coordenadoras da pesquisa.

Mais remédios, mais casos

Os resultados revelaram a grande diferença entre quem tomou e quem não tomou remédio "preventivo" para covid-19. Na primeira fase da pesquisa, entre os que não tomaram nada, 25,9% tiveram IgG positivo , contra 38,6% dos que tomaram. Essas proporções se repetiram nas duas amostragens já concluídas. O anticorpo IgG é um dos indicadores de contágio de covid, produzido na fase tardia da infecção e geralmente detectável a partir do 15º dia de sintomas.

Os medicamentos mais tomados como forma profilática foram a ivermectina e o paracetamol —nenhuma das duas tem qualquer efeito comprovado para a prevenção da covid-19.

Para Jaila Borges, da UFAM, a cultura brasileira da automedicação é um dos maiores desafios, além da "ineficiente comunicação científica que temos e à ausência de educação midiática". Isso tem ficado ainda mais claro na terceira fase da pesquisa, em andamento. "Ouvimos de muitas pessoas que perderam muitos familiares questionando que a pessoa tomava ivermectina para prevenir covid-19, porque o médico orientou ou porque ouviram falar que funcionava", explica.

Mais renda, menos casos

A pesquisa também apontou que as taxas de infectados diferiram quanto à renda. Na primeira fase, as pessoas com renda de até três salários mínimos apresentaram soroprevalência (teste positivo para covid-19) de 35,5%. Já entre os que ganhavam mais de seis, essa taxa foi menor: 24,4%.

Além disso, o estudo observou a intensidade da pandemia no período. A primeira fase mostrou uma prevalência geral de anticorpos (o IgG) em 29,1% da população, enquanto na segunda essa proporção aumentou para 34,3%.

"A presença de um caso de covid-19 ou morte [pela doença] em uma família aumentou muito o risco de outros membros, que moram na mesma casa, adquirirem a infecção", diz o artigo.

Além disso, a pesquisa mostrou que quanto mais pessoas em uma residência, maiores as chances de contaminação. Na sua primeira, a taxa de contaminação foi de 34,5% nas casas com quatro ou mais pessoas. Já nas casas com uma pessoa esse índice foi de 25,2%, e onde vivem duas pessoas, de 26,3%.

"Uma pessoa diagnosticada, claro, transmite para outros do seu domicílio, porque esse isolamento domiciliar não é feito corretamente. [Ou seja] não temos uma vigilância ativa de casos em que, uma vez que uma pessoa é diagnosticada, ela e os seus contactantes são acompanhados", diz Borges.

Segundo a cientista, é preciso ter uma comunicação estratégica para que a informação correta chegue às pessoas e, assim, elas optem por um comportamento saudável.

"Não é um argumento correto culpar somente as pessoas pelo que está ocorrendo. Temos um histórico problema de educação em saúde. Hoje, o que notamos, é que as pessoas não sabem em quem acreditar", completa.

Será que vai ter uma terceira onda?

Um alerta feito pelos pesquisadores é que, apesar de o colapso ter sido amenizado nos últimos dias no estado, não há ainda uma quantidade de pessoas com anticorpos capazes de frear a transmissão do vírus.

Dados parciais da terceira fase do estudo mostram que, dentro da população pesquisada, ainda há um grupo grande de pessoas suscetíveis ao vírus. É uma situação parecida com o que ocorreu entre agosto e novembro de 2020, em que as pessoas voltam ao "normal", mas o vírus continua circulando. Por isso, não dá para baixar a guarda.

O pesquisador da Fiocruz e professor na área de infectologia da UFAM Bernardino Cláudio de Albuquerque afirma que o cenário atual do estado pode resultar na criação de nova variante, como foi com a P.1, que venha a causar uma terceira onda da doença.

"Se essa mutação conseguir driblar a imunidade da vacina, que seguimos em ritmo lento, poderemos ter, sim, o recrudescimento da doença aqui no estado", finaliza.