PUBLICIDADE
Topo

Golpista clona Luís Nassif e arranca dinheiro de jornalistas famosos

O jornalista Luis Nassif - Reprodução de vídeo
O jornalista Luis Nassif Imagem: Reprodução de vídeo

Mirthyani Bezerra

Colaboração para Tilt

30/03/2021 18h21Atualizada em 31/03/2021 09h51

A clonagem de conta do WhatsApp para convencer os contatos da vítima a emprestar ou doar dinheiro, passando-se pela pessoa clonada, é um dos golpes favoritos dos cibercriminosos brasileiros. O jornalista Luis Nassif teve sua conta invadida e pelo menos dois colegas seus caíram na fraude do depósito: Fernando Morais, jornalista e autor do livro "Chatô", e Bárbara Gancia, ex-apresentadora do programa de debates "Saia Justa".

A Tilt, Morais disse que os bandidos conseguiram embolsar R$ 1.400 dele ao se passar por Nassif e ainda "ajudou" o golpista por engano, perguntando o CPF para efetivar a transação. Esse tipo de golpe atingiu mais de 5 milhões de brasileiros só no ano passado. segundo a Psafe.

"Veio um bilhete no WhatsApp do Nassif me dizendo 'pode me dar uma mãozinha?'. Eu falei 'diga lá', e ele falou 'será que você pode depositar R$ 1.400 na conta de fulana de tal até o final da tarde que eu te reponho no máximo amanhã cedo, é para um acerto contábil'", conta Morais.

Ele disse ainda que o golpista esqueceu de informar o CPF para receber o dinheiro. "Eu falei [para o criminoso] 'como é mais de R$ 1.000, sem CPF não vão aceitar'. A pessoa falou 'um momento' e me mandou. Aí eu depositei", conta.

O escritor Fernando Morais - Karime Xavier/Folhapress - Karime Xavier/Folhapress
O escritor Fernando Morais
Imagem: Karime Xavier/Folhapress

Fernando Morais disse ter achado estranho o pedido, mas que por nenhum momento desconfiou se tratar de um golpe. Ele só percebeu quando um jornalista da ABI (Associação Brasileira de Imprensa) mandou uma mensagem coletiva avisando sobre a fraude.

Tilt tentou contato com Bárbara Gancia e Luis Nassif, mas não obteve sucesso. Nassif usou as redes sociais para informar sobre a clonagem.

Atenção, minha conta WhatsApp foi clonada. Cuidado com ligações

Publicado por Luis Nassif em Quinta-feira, 25 de março de 2021

Golpe cada vez mais comum

Esse tipo de golpe não é nova: em resumo, consta em obter o telefone da vítima, e em uma ligação telefônica convence-a, com alguma história falsa, a informar a senha numérica de seis dígitos que o WhatsApp envia por mensagem SMS, durante o processo de autenticação de usuário.

Após a invasão, o bandido passa a ter acesso a novas mensagens e grupos da conta. Daí entra em contato com amigos da vítima, se passando por ela e lança alguma conversa para pedir a eles empréstimo ou doação de dinheiro, que vai parar na conta do golpista. Alguns deles chegam a ganhar R$ 6.000 por dia só praticando fraudes desse tipo.

Emilio Simoni, diretor do Dfndr Lab, conta que geralmente as "iscas" usadas para clonar são essas:

  • Sites de ecommerce

É a mais comum. Os bandidos acompanham quem anuncia nesses sites e entram em contato pelo telefone informado, passando-se por um funcionário do site dizendo que a venda foi feita. Depois dizem que precisam checar a segurança e precisam mandar um SMS de seis dígitos. Esse código, no entanto, é o cadastro do WhatsApp em outro celular.

  • Estabelecimentos comerciais

Os bandidos monitoram as redes sociais, veem que a pessoa publicou algo marcando um hotel ou restaurante e usam um perfil falso daquele estabelecimento para entrar em contato por telefone, dizendo que a pessoa ganhou um brinde ou sorteio. Na base do convencimento, eles obtêm o código de acesso ao WhatsApp da vítima para sequestrar sua conta.

  • Órgãos de saúde

Golpistas já têm se passado por autoridades sanitárias usando a vacina da covid-19 como contexto para aplicar a fraude.

Simoni aponta quatro formas de evitar ter o WhatsApp clonado:

  1. Nunca envie códigos de verificação para ninguém;
  2. Tenha aplicativos que alertem sobre tentativas de clonagem;
  3. Não passe nenhum dado, desligue e retorne o contato usando um canal oficial;
  4. Não transfira dinheiro sem falar antes por telefone com a pessoa que o está pedindo.

Quem transfere dinheiro consegue reembolso?

Ao perceber o golpe, o escritor mandou para a polícia e o seu banco o CPF dos criminosos usado na transação e outros documentos, além de fazer um boletim de ocorrência (BO) na delegacia.

De acordo com Simoni, o CPF dado pelo fraudador a Morais pode ser uma pista sobre quem está por trás da fraude. Geralmente o golpista usar contas de laranjas, mas há alguns casos em que eles usaram o CPF e a própria conta pessoal. Cabe à vítima fazer um BO informando os detalhes.

Em nota a Tilt, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), entidade que representa os bancos, informou que a orientação é fazer o BO o quanto antes e entrar em contato com o banco para informar o ocorrido.

"Cada instituição financeira tem sua própria política de análise e ressarcimento, que é baseada em análises aprofundadas e individuais, considerando as evidências apresentadas pelos clientes e informações das transações realizadas", informou a entidade.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi informado no texto, o golpista que invade uma conta do WhatsApp não tem acesso direto ao backup de conversas da vítima, e sim acesso a novas mensagens e grupos. O texto foi corrigido.